Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Paris e Mali: duas vertentes diferentes do terrorismo islâmico

Por Da Redação 20 nov 2015, 17h54

Uma semana após os atentados de Paris, que deixaram 130 mortos e mais de 350 feridos, um ataque a um hotel de luxo no Mali aumentou a sensação de insegurança em relação ao poder de ação dos extremistas islâmicos. É importante, porém, destacar que os dois eventos foram perpetrados por dois grupos diferentes. Na França, os terroristas eram membros do Estado Islâmico (EI), jihadistas que dominam parte da Síria e do Iraque. O sequestro de mais de 150 pessoas nesta sexta-feira em Bamako, capital do Mali, foi executado por um braço africano da Al Qaeda, grupo ‘rival’ do EI.

O Mali, que tem cerca de metade da população vivendo abaixo da linha da pobreza, funciona como um centro logístico para as forças francesas na África que ajudam governos locais a combater insurgentes islâmicos. Mas este fato, isolado, não cobre 100% das motivações dos terroristas. O Mali convive com conflitos regionais que têm não só componentes religiosos, mas também territoriais.

O nordeste do país, área correspondente a dois terços do território maliano, é disputado pela minoria tuaregue, grupo nômade que vive espalhado pelos países da região (Argélia, Mali, Níger, Chade, Burkina Faso, Nigéria e Líbia), que tenta fundar ali sua independência desde pelo menos a década de 50. Em abril de 2012, aliados a fundamentalistas islâmicos, os tuaregues se aproveitaram de um golpe de estado e declararam a região independente. Diante da instabilidade política no Mali, os tuaregues tentaram estender seus domínios.

Para evitar que o grupo tomasse todo o país, uma coalizão militar liderada pela França expulsou os tuaregues e seus aliados jihadistas. Desde então, grupos terroristas formados por tuaregues extremistas ligados à Al Qaeda, como o Al Mourabitoun, atuam na região do Sahel, a faixa de terra que se interpõe entre o deserto do Saara e o sul equatorial da África. O Al Mourabiton, que assumiu a autoria do ataque ao hotel Radisson Blu, não vem, portanto, da mesma vertente terrorista que comandou os atentados em Paris.

Continua após a publicidade

Leia também:

Polícia invade hotel no Mali; todos os reféns foram retirados

Polícia francesa encontra corpo de terceiro suspeito morto em ação antiterrorismo

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês