Clique e assine com até 92% de desconto

Paris adota novas medidas de restrições devido à pandemia da Covid-19

Bares fecharão a partir desta terça-feira; por um mês o uso da máscara também será obrigatório

Por Julia Braun Atualizado em 5 out 2020, 11h05 - Publicado em 5 out 2020, 10h35

Os bares de Paris fecharão suas portas a partir desta terça-feira, 6, para frear o aumento preocupante dos contágios de Covid-19 na capital francesa. A medida também será aplicada aos cafés e bares da periferia mais próxima da capital por um período inicial de 15 dias.

Já os restaurantes poderão permanecer abertos, desde que respeitem as novas medidas sanitárias de segurança, anunciou o chefe de polícia da cidade, Didier Lallement, em uma entrevista coletiva nesta segunda-feira, 5.

Esta decisão foi tomada devido aos dados preocupantes que confirmam uma degradação do quadro frente à pandemia. Neste momento, Paris registra 260 casos a cada 100.000 habitantes, e 36% dos leitos dos serviços de UTI já estão ocupados por pacientes com Covid-19.

  • Além disso, existem 203 fontes de contágio da doença na região. “A epidemia está avançando muito rápido, temos que pará-la agora antes que o sistema de saúde fique sobrecarregado”, disse Lallement. Todas essas medidas dão às autoridades “novas armas” para continuar o combate ao novo coronavírus, segundo o chefe da polícia, que lembrou que por um mês o uso da máscara também será obrigatório.

    “Estamos entrando em uma nova fase”, declarou a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, que pediu aos franceses que “todos trabalhem juntos” para proteger os mais frágeis.

    Eventos com mais de 1.000 pessoas e reuniões de mais de dez pessoas em espaços públicos continuarão proibidos na capital francesa. As universidades restringirão a frequência física às aulas em 50%, embora as autoridades reconheçam que o contágio entre os alunos não ocorre nas salas de aula, mas nos contatos sociais.

    Também fecharão ginásios e piscinas (exceto para atividades escolares), todas as atividades em barracas são proibidas, e os casamentos ficarão estritamente limitados a cerimônia, sem qualquer convite subsequente. Os estabelecimentos comerciais limitarão o atendimento a um cliente por cada quatro metros quadrados de área útil, de forma a garantir a continuidade da atividade econômica.

    O governo também pediu às empresas e aos trabalhadores para que recorram ao trabalho remoto nas regiões mais afetadas da França “sempre que possível”, segundo a ministra do Trabalho, Elisabeth Borne. Até agora, mais de 32.000 pessoas morreram de coronavírus na França, de acordo com dados oficiais.

    ASSINE VEJA

    O novo perfil que Bolsonaro quer para o STF Leia nesta edição: os planos do presidente para o Supremo. E mais: as profundas transformações provocadas no cotidiano pela pandemia
    Clique e Assine

    (Com AFP e EFE)

    Continua após a publicidade
    Publicidade