Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Para evitar separação, Grã-Bretanha promete mais recursos à Escócia

Líder separatista escocês afirma que mesmo com independência, país seguirá na Commonwealth e manterá a rainha Elizabeth II como chefe de Estado

A Grã-Bretanha prometeu nesta terça-feira garantir altos níveis de financiamento à Escócia, concedendo aos escoceses maior controle sobre seus gastos de saúde, em uma última tentativa para alavancar apoio pela manutenção do Reino Unido antes do referendo sobre a independência marcado para quinta-feira. Com as pesquisas mostrando que a decisão sobre a independência da Escócia será apertada, os gastos com bem-estar social e com o futuro do renomado Sistema Nacional de Saúde formaram uma parte central do argumento do nacionalista Alex Salmond pela secessão.

Em um acordo patrocinado pelo ex-primeiro-ministro Trabalhista, Gordon Brown, os líderes dos três principais partidos britânicos disseram que manteriam a equação de financiamento que sustenta um nível maior de gastos públicos na Escócia. “As pessoas querem ver mudanças”, disse o acordo, publicado no jornal escocês Daily Record e assinado pelo primeiro-ministro conservador David Cameron, pelos líderes trabalhista, Ed Miliband, liberal democrata, Nick Clegg. “Um voto pelo ‘não’ propiciaria uma mudança mais rápida, segura e melhor do que a separação”, afirma o texto do acordo.

Leia também

Celebridades opinam sobre a independência da Escócia

Elizabeth II pede que escoceses pensem ‘cuidadosamente’ sobre voto de independência

Nova pesquisa dá vitória ao ‘não’ no referendo sobre a independência da Escócia

Diversos eleitores nas zonas industriais do norte da Inglaterra e de Gales dependem dos gastos sociais do governo, ao passo que alguns parlamentares ingleses do próprio partido de Cameron já pediram que a Inglaterra tenha mais poderes em relação ao governo central. Se os escoceses votarem pela independência, a Grã-Bretanha e a Escócia teriam dezoito meses de negociações pela frente sobre todos os temas, desde o petróleo do Mar do Norte até a libra esterlina e a filiação à União Europeia, além da principal base nuclear submarina da Grã-Bretanha, que fica na Escócia.

A possibilidade de cindir o Reino Unido, sexta maior economia do mundo e membro com poder de veto no Conselho de Segurança das Nações Unidas, leva preocupação para o mercado e para outros países europeus que convivem com anseios separatistas em seus territórios.

Commonwealth – Os partidários da independência da Escócia querem ser um novo Estado da Comunidade Britânica de Nações, mais conhecida como Commonwealth, a associação que vincula o Reino Unido a muitos de seus antigos territórios. O primeiro-ministro do governo autônomo da Escócia, o nacionalista Alex Salmond, quer manter vínculos com a comunidade e conservar a rainha Elizabeth II como chefe de Estado, assim como em dezesseis países da Commonwealth, incluído o Reino Unido.

Leia mais

Times de futebol da Escócia rivalizam até em pleito sobre independência

Bancos mudarão sede para Londres se Escócia tornar-se independente

Rainha britânica está ‘horrorizada’ com possibilidade de independência da Escócia

Essa associação – cujos membros mantêm laços de história, idioma e cultura – é formada por 53 Estados independentes, sendo 32 repúblicas, dezesseis monarquias dependentes da rainha da Inglaterra e cinco monarquias nacionais. Com 2,2 bilhões de pessoas, 30% da população mundial, a associação garante os processos eleitorais dos países-membros, assessora-os em caso de conflitos internos e dá especial atenção aos Estados pequenos, garantindo defesa e representação em fóruns globais.

Os países compõem a Commonwealth reconhecem Elizabeth II como símbolo da livre associação dos Estados-membros e, apesar de ser considerada chefe da comunidade, a monarca não desempenha nenhum papel executivo. As únicas decisões formais entre os Estados-membros são tomadas em encontros periódicos dos chefes de Estado. Os países da Commonwealth não têm compromissos legais, e podem se retirar unilateralmente do grupo.

(Com agências Reuters e France-Presse)