Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Para Biden, Putin é ‘assassino’ e pagará por interferir na eleição dos EUA

Os comentários do americano sucedem um relatório de inteligência que confirmou uma operação do Kremlin para favorecer Trump como candidato em 2020

Por Da Redação Atualizado em 18 mar 2021, 10h22 - Publicado em 17 mar 2021, 11h05

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta quarta-feira, 17, que o líder da Rússia, Vladimir Putin, enfrentará as consequências por uma operação com objetivo de enfraquecer a campanha eleitoral do democrata em 2020, favorecendo o ex-presidente Donald Trump. O democrata disse ainda não acreditar que o russo tenha uma alma e concordou que o considera um “assassino”.

“Ele pagará um preço”, disse Biden à rede de TV ABC News em entrevista, em referência às ações de Moscou para influenciar o pleito americano. Questionado quais seriam as consequências, o democrata respondeu: “Você saberá em breve”.

Os comentários de Biden sucedem revelações feitas na terça-feira 16 por um relatório da inteligência americana. As investigações confirmam alegações de longa data de que Putin estava por trás das tentativas interferência de Moscou nas eleições americanas, com métodos como a proliferação de informações “enganosas ou infundadas” para prejudicar a imagem de Biden e impulsionar a reeleição de Trump.

Segundo o relatório, algumas das informações falsas eram alimentadas por aliados de Trump. Apesar de não citá-los especificamente, há referências ao trabalho do ex-advogado pessoal de Trump, Rudolph Giuliani, que insistiu implacavelmente em alegações de corrupção sobre Biden e sua família envolvendo a Ucrânia.

“Avaliamos que os líderes russos preferiram que o ex-presidente Tump ganhasse a reeleição, apesar de perceber algumas das políticas de seu governo como anti-Rússia. Temos grande confiança nesta avaliação”, diz o relatório. A Rússia considerou as descobertas infundadas.

Ao mesmo tempo, Biden observou que os Estados Unidos e a Rússia podem continuar trabalhando juntos, apesar das descobertas, e que uma punição não significa corte total de laços.

“Há lugares em que é do nosso interesse mútuo trabalhar juntos”, disse, citando como exemplo a renovação do acordo de contenção nuclear New START. O presidente americano afirmou ainda que conhece Putin “relativamente bem” e que “a coisa mais importante em lidar com líderes estrangeiros é apenas conhecer a outra pessoa”.

Contudo, Biden não poupou palavras para falar sobre Putin. O americano disse que não acha que o líder russo tenha alma e, questionado pelo apresentador da ABC News, confirmou que considera-o um “assassino”.

Continua após a publicidade
Publicidade