Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Papa nomeia secretário pessoal para supervisionar banco

Francisco emite sinal de que pretende manter controle sobre instituição financeira do Vaticano

Por Da Redação 28 nov 2013, 19h44

O papa Francisco nomeou nesta quinta-feira seu secretário pessoal para supervisionar as atividades do Instituto para as Obras de Religião (IOR), o banco da Santa Sé, emitindo um sinal de que o pontífice quer manter um firme controle das ações para reformar a instituição.

Alfred Xuereb, um prelado honorário de Malta, de 55 anos, será responsável pelo acompanhamento de duas comissões criadas pelo papa para supervisionar o banco, as finanças e a estrutura econômica da Santa Sé, disse o Vaticano em comunicado. Ele deverá manter o papa informado sobre o trabalho das comissões e sobre as medidas que estão sendo tomadas.

O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, disse a repórteres que Xuereb já estava desempenhando esse papel extraoficialmente há algum tempo, mas agora terá condições de agir de modo mais efetivo.

Leia também:

Papa Francisco indica plano de reforma da Igreja

Continua após a publicidade

O papa Francisco tem tomado providências para enfrentar anos de escândalos financeiros envolvendo o banco do Vaticano, que está sob investigação por suspeita de lavagem de dinheiro. Os problemas começaram a vir à tona no pontificado de Bento XVI, mas existem desde a década de 60, no papado de Paulo VI.

O Vaticano assinou um acordo com a Itália para a troca de informações financeiras e serviços bancários. A instituição também abriu um site e começou a publicar relatórios anuais, num esforço para aumentar a transparência.

O IOR gere 19.000 contas pertencentes, principalmente, ao clero católico. São cerca de sete bilhões de euros pertencentes a um público que vai de freiras que estudam em Roma até bispos e cardeais e ainda alguns diplomatas. Criado na década de 40 para ser um instituto de financiamento de obras religiosas, hoje abriga também contas de políticos que sejam indicados por eclesiásticos influentes.

O presidente atual do banco é o alemão Ernst von Freyberg, que foi nomeado para o cargo alguns dias antes da renúncia do papa Bento XVI.

Em julho, o diretor-geral da instituição, Paolo Cipriani, e o vice-diretor da instituição, Massimo Tulli, renunciaram após um clérigo ligado ao banco ter sido preso acusado de fraude e corrupção.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês