Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Papa Francisco preside sua primeira Sexta-Feira Santa

As celebrações de Páscoa neste ano devem contar com uma presença de fiéis maior do que a habitual - devido à curiosidade despertada pelo novo pontífice

Por Da Redação 29 mar 2013, 14h13

O papa Francisco preside sua primeira Sexta-Feira Santa como sumo pontífice da Igreja católica, a começar pela recitação da Paixão de Cristo – as últimas horas da vida de Jesus – na Basílica de São Pedro, no Vaticano. Mais tarde, ele realizará a Via Sacra no Coliseu romano, simbolizando Jesus ao carregar uma cruz de madeira antes de sua crucificação. As celebrações de Páscoa deste ano devem contar com uma presença de fiéis maior do que a habitual, devido à curiosidade despertada pelo novo sumo pontífice.

Acredita-se que a mensagem de Francisco se centrará na defesa da vida, ameaçada por guerras, intolerância, opressão e também, segundo a Igreja, por leis que não defendem o direito dos cristãos – a favor do aborto e da eutanásia, por exemplo. No fim do ano passado, Bento XVI destacou os dramas vividos no Oriente Médio, como a guerra na Síria, as disputas entre muçulmanos e cristãos, o crescimento do Islã radical e a fuga de muitos cristãos da região diante da perseguição que sofrem, especialmente no Egito.

Leia também:

Leia também: Na Argentina, histórias da atuação social do papa Francisco

Telefonema – O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, informou que o papa Francisco e o papa emérito Bento XVI tiveram após a Missa Crismal da Quinta-Feira Santa, na basílica de São Pedro, uma “longa e intensa” conversa por telefone. Segundo Lombardia, a conversa – a terceira dos dois por telefone – mostra a “união” entre o atual pontífice e seu antecessor.

Francisco e Bento XVI, de 85 anos, se reuniram no último dia 23 em Castel Gandolfo, onde vive o papa emérito, conversaram a sós durante 45 minutos e almoçaram juntos. Essa foi a única vez que eles se encontraram pessoalmente desde que o cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio, de 76 anos, foi eleito papa, no último dia 13.

O atual papa também ligou para Bento XVI logo após ser eleito sumo pontífice pelos cardeais no conclave e também no último dia 19, na festa de São José, que inaugurou oficialmente seu papado. Bento XVI, cujo nome de batismo é José (Joseph Ratzinger), está em Castel Gandolfo à espera do fim das obras de preparação do mosteiro onde viverá daqui para frente.

Leia também:

Leia também: Por que Francisco será diferente dos outros papas

Continua após a publicidade

Saiba mais:

Saiba mais: ‘Francisco sempre foi aberto a todas as religiões’, diz rabino

Missão – Na quinta-feira, o sumo pontífice rezou a Missa Crismal diante de 1.600 religiosos, para os quais ressaltou a missão dos sacerdotes em favor dos pobres e excluídos e disse que os padres não podem se acomodar com a posição de “gestores” da Igreja. A missa deu início aos quatro dias de celebrações da Páscoa. Suas palavras se encaixam em seu posicionamento de tornar a Igreja mais humilde adotado no início de seu papado.

Francisco também fugiu da tradição quando realizou a cerimônia do lava-pés. A repetição do gesto de lavar e beijar os pés dos apóstolos por Jesus na véspera de sua morte costumava ser sempre feita em uma das basílicas de Roma. O novo pontífice, no entanto, resolveu realizá-la no centro de detenção Casal del Marmo, próximo à capital italiana. Além disso, incluiu duas meninas entre os 12 menores infratores participantes da cerimônia, uma delas muçulmana.

Primeiro jesuíta que chega ao trono de Pedro, Francisco ainda deixou claro que deseja realizar algumas mudanças na estrutura da instituição milenar, cuja imagem foi manchada nos últimos anos por lutas internas de poder, abusos sexuais de menores por sacerdotes ou pela atividade econômica nebulosa do banco do Vaticano. No entanto, os analistas preveem que não será fácil alcançar seus objetivos, devido à resistência dos que preferem manter o status quo.

Saiba mais:

Saiba mais: Acessível a todos, Francisco é lembrado por sua humildade

(Com agências France-Presse e EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade