Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Papa Francisco pede que pais não condenem filhos por orientação sexual

Fala é parte da tentativa de equilíbrio do pontífice entre ensinamentos católicos a respeito da homossexualidade e apoio a pessoas LGBTQIA+

Por Da Redação 26 jan 2022, 09h01

Em audiência semanal no Vaticano realizada nesta quarta-feira, 26, o papa Francisco pediu para que pais não condenem seus filhos com base em orientação sexual, em um novo passo da tentativa de equilíbrio do pontífice entre os ensinamentos católicos a respeito da homossexualidade e apoio a pessoas LGBTQIA+.

“Nunca condenem seus filhos”, disse Francisco sobre a dificuldade que pais podem enfrentar na criação dos filhos, acrescentando que devem acompanhá-los e “e não se esconderem atrás de uma atitude de condenação”.

Em 2019, durante entrevista à emissora mexicana Televisa, o pontífice já havia afirmado que “pessoas homossexuais têm o direito de ter uma família. Eles são filhos de Deus”. Segundo Francisco, pais de crianças gays “não podem” expulsar seus filhos da família”.

Em 2014, o papa foi notícia ao dizer em uma entrevista ao jornal Corriere della Sera que “a Igreja ensina que o casamento é entre um homem e uma mulher, ao mesmo tempo que reconhece que os governos querem adotar uniões civis para casais homossexuais e outros para permitir outros benefícios”.

Apesar do apoio reiterado do pontífice para uniões de pessoas do mesmo sexo (apenas na esfera civil, não dentro da Igreja), o Vaticano decretou em março do ano passado que a Igreja Católica não pode abençoar as uniões de casais do mesmo sexo, pois Deus “não pode abençoar o pecado”. 

O texto enfatiza a “distinção fundamental e decisiva” entre a aceitação de fiéis homossexuais pela Igreja, que é sustentada, e a de uniões gays, que não podem receber qualquer reconhecimento sacramental.

A religião católica sustenta que o casamento, união vitalícia entre o homem e a mulher, é parte do plano de Deus e tem como objetivo a criação de uma nova vida. Segundo o documento, pessoas gays devem ser tratadas com dignidade e respeito, mas o sexo gay é “intrinsecamente desordenado”. Para o Vaticano, como casais do mesmo sexo não poderiam gerar uma nova vida, não devem ser abençoados pela Igreja.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês