Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Papa Francisco pede maior combate a notícias falsas sobre vacinas

Pontífice alertou sobre perigos da 'distorção da realidade baseada no medo' e propôs aliança com a pesquisa científica sobre doenças

Por Da Redação Atualizado em 28 jan 2022, 11h19 - Publicado em 28 jan 2022, 11h16

Em discurso ao consórcio internacional de mídia católica, o papa Francisco pediu nesta sexta-feira, 28, que as notícias falsas, especialmente as relacionadas a vacinas, sejam combatidas.

Assim como já alertado em recente documento para o Dia da Comunicação, Francisco destacou nesta sexta que, “além da pandemia, a infodemia se espalhou, ou seja, a distorção da realidade baseada no medo, que na sociedade global faz ecos e comentários sobre notícias falsificadas ou mesmo inventadas”. 

Ele destacou que por vezes “a informação e a circulação das chamadas opiniões científicas podem gerar confusão”, e, por isso, propôs “fazer aliança com a pesquisa científica sobre doenças” e explicou que “estar corretamente informado, ser ajudado a entender com base em dados científicos e não em fake news, é um direito humano”.

Francisco também enfatizou que é preciso ser contra as “mentiras”, mas “sempre a favor das pessoas” e que “embora seja necessário combater as fake news, as pessoas devem sempre ser respeitadas porque muitas vezes aderem inconscientemente a elas”.

“Vamos tentar trabalhar pela informação correta e verdadeira sobre a Covid-19 e sobre as vacinas, mas sem cavar valas, sem isolar, para que uma crise não se transforme em conflito”, acrescentou.

O líder da Igreja Católica é um dos principais defensores de uma distribuição equânime de vacinas contra a Covid-19 no mundo e já cobrou que as nações ricas sejam mais solidárias com os países em desenvolvimento. Em meados de 2021, pediu a suspensão das patentes de imunizantes contra o novo coronavírus e disse que colocar os direitos de propriedade intelectual acima da saúde da humanidade é um sintoma do “vírus do individualismo”.

O Vaticano iniciou sua campanha de vacinação em janeiro do ano passado, quando o papa Francisco e o papa emérito Bento XVI, a Cúria e demais funcionários da Santa Sé, foram imunizados. Em agosto, ele definiu a vacinação contra o novo coronavírus como um “ato de amor”, citando parcelas significativas das populações de alguns países, especialmente dos desenvolvidos, que ainda resistem aos imunizantes.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês