Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Papa Francisco cita música de Vinicius de Moraes em nova encíclica

No documento divulgado hoje, o pontífice critica o "vírus do individualismo" e o "dogma liberal" e defende a fraternidade não só com palavras

Por Da Redação 4 out 2020, 18h06

Com o título de Fratelli tutti (Todos irmãos, em italiano), o Papa Francisco divulgou neste domingo, 4, uma nova encíclica em que denuncia as desigualdades e o “vírus do individualismo”. O documento, considerado grau máximo das cartas pontifícias e de âmbito universal, pede ainda o fim do “dogma liberal” e defende a fraternidade “com atos e não apenas com palavras”. No sexto capítulo do texto, de 84 páginas, o destaque é uma menção ao poeta e compositor brasileiro Vinicius de Moraes (1913-1980). Dedicado ao “diálogo” e à “amizade social”, o trecho traz uma passagem da letra da música Samba da Bênção: “A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida”.

Logo após a citação à canção, Jorge Bergoglio, nome de batismo do pontífice argentino, escreve que várias vezes já convidou a fazer crescer “uma cultura do encontro que supere as dialéticas que colocam um contra o outro”. O papa ainda reforça que devemos incentivar essa cultura do encontro, em que todos possam aprender algo e na qual ninguém é inútil. “Isto implica incluir as periferias. Quem vive nelas tem outro ponto de vista, vê aspectos da realidade que não se descobrem a partir dos centros de poder onde se tomam as decisões mais determinantes”, escreveu.

Esta é a terceira encíclica do papa Francisco. Nela, o principal nome da Igreja Católica retoma aos temas sociais que serviram de bandeira em seus sete anos e meio de pontificado, como a necessidade do diálogo, e faz reflexões sobre o mundo atingido pela pandemia da Covid-19. “Vimos o que aconteceu com as pessoas mais velhas em alguns lugares do mundo por causa do coronavírus. Não tinham que morrer assim (…) cruelmente descartados”, lamentou. No documento, ainda faz críticas ao nacionalismo, ao populismo, ao individualismo e à “cultura dos muros” e defende o direito às migrações e cobra uma reforma das Organização das Nações Unidas e do sistema financeiro mundial.

A encíclica, que deve servir como um guia espiritual para os católicos diante dos problemas atuais enfrentados pela humanidade, foi divulgada hoje, Dia de São Francisco de Assis, e assinada ontem durante uma missa na cripta onde está o túmulo do padroeiro dos animais e do meio ambiente. Pela primeira vez o documento foi assinado fora dos limites do Vaticano e também marcou a primeira saída de Roma por Francisco, durante a pandemia.

 

 

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês