Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Papa Francisco canonizará em outubro mártires brasileiros

Os três sacerdotes e outras 27 pessoas foram assassinados durante a ocupação holandesa no nordeste do país

Por Da redação - 20 abr 2017, 09h20

O papa Francisco canonizará no dia 15 de outubro deste ano, na Basílica de São Pedro, no Vaticano, aqueles que foram os primeiros mártires brasileiros. Os sacerdotes André de Soveral, Ambrósio Francisco Ferro e o laico Mateus Moreira, além de outros 27 companheiros que foram assassinados em 1645 durante a ocupação holandesa no nordeste do Brasil.

O anúncio foi realizado nesta quinta-feira, durante assembleia de cardeais dirigida pelo papa, onde foram definidas as datas das cerimônias de canonização de vários futuros santos. Para ser canonizado não é necessário ter protagonizado nenhum milagre, é preciso apenas ter o parecer positivo dos membros da Congregação para as Causas dos Santos, que reiterou o assassinato por “ódio à fé”.

Eles são os primeiros mártires e santos brasileiros e foram assassinados entre os dias 16 de julho e 3 de outubro de 1645 pelos protestantes calvinistas holandeses instalados no Brasil naquela época. Muitos foram assassinados em Cunhaú e Uruacu, no Rio Grande do Norte, durante uma missa dominical celebrada por André de Soveral.

Eles já haviam sido beatificados pelo papa João Paulo II em março de 2000, na Basílica de São Pedro. Os mártires brasileiros serão canonizados em uma cerimônia ao lado de dois meninos mexicanos conhecidos como Mártires de Tlaxcala; do espanhol Faustino Miguez, fundador do Instituto Calasancio Filhas da Divina Pastora e do sacerdote franciscano italiano Luca Antonio Falcone.

Publicidade

(Com EFE)

Publicidade