Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Papa Francisco cancela tradicional celebração antes do Natal por Covid-19

Além da cerimônia da Imaculada Conceição, em 8 de dezembro, Vaticano também estuda como celebrar Missa do Galo sem desrespeitar medidas do governo italiano

Por Da Redação 30 nov 2020, 13h19

O papa Francisco anunciou nesta segunda-feira, 30, que irá cancelar a tradicional cerimônia da Imaculada Conceição, que seria celebrada na Piazza di Spagna no dia 8 de desembro, por conta da pandemia de Covid-19.

“A escolha de não ir à Piazza di Spagna para o tradicional ato de veneração da Imaculada Conceição se deve à persistente situação de emergência sanitária e para evitar qualquer risco de contágio causados ​​por aglomerações”, diz a nota da Sala de Imprensa do Vaticano.

Para a celebração deste ano, Francisco fará uma pequena cerimônia privada na Santa Sé. Ele será o primeiro papa a não realizar a visita à praça no dia 8 de dezembro desde 1953.

A data celebra “a graça e privilégios singulares” pelos quais a Virgem Maria fora agraciada no primeiro instante de sua concepção. Segundo o dogma da Igreja, Maria teria sido “preservada de todas as manchas do pecado original”.

O Vaticano ficou fechado para turistas e fiéis por boa parte do ano à medida que os casos de Covid-19 avançavam sobre a cidade. Além da situação financeira precária causada pela pandemia, a Santa Sé teve que isolar o pontífice por conta de casos de coronavírus de assessores próximos.

Continua após a publicidade

A situação é motivo de preocupação entre as autoridades do Vaticano à medida que, além de ter 83 anos, Francisco teve parte de um pulmão removida por uma doença durante sua juventude na Argentina.

O pontífice, porém, é motivo de preocupação entre as autoridades do Vaticano, pois além de ter 83 anos, teve parte de um pulmão removida por uma doença durante sua juventude na Argentina. Atualmente, ele é testado regularmente para o novo coronavírus.

Além da cerimônia, também foram alterados os planos para a Missa do Galo, celebrada na véspera de Natal. Por conta do vírus, o governo italiano impôs um sistema de restrições baseadas em áreas mais afetadas, com inclusão de toques de recolher.

“A Conferência Episcopal Italiana terá a oportunidade em seus órgãos institucionais de monitorar a situação epidemiológica e discutir como celebrar os ritos de Natal em condições seguras, em total conformidade com as regras, como tem acontecido até agora”, afirmou a Santa Sé em nota publicada no sábado 28.

O Vaticano está estudando como a Missa do Galo será celebrada pelo líder religioso, embora este ano tudo indique que ela acontecerá sem a presença de fiéis. O Ministro da Saúde italiano, Roberto Speranza, já disse que o toque de recolher não será alterado durante o período de Natal e que continuará como indicado para os outros dias, às 22h.

“Eu digo como católico que o menino Jesus nascer duas horas antes não é heresia”, enfatizou o ministro de Assuntos Regionais, Francesco Boccia. “Heresia é não notar os doentes, as dificuldades dos médicos ou das pessoas que sofrem”, completou.

Continua após a publicidade
Publicidade