Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Papa condena cultura de privilégios e corrupção em missa em Madagascar

Para chegar ao local da missa para 1 milhão de pessoas, em Antananarivo, Francisco passa por regiões de pobreza

Por Da Redação Atualizado em 8 set 2019, 19h34 - Publicado em 8 set 2019, 19h08

O papa Francisco condenou a cultura de privilégios e corrupção, que permite a pouquíssimos viverem na riqueza enquanto a grande maioria definha na pobreza, durante missa em Antananarivo, Madagascar. O pontífice foi recebido por mais de um milhão de pessoas na esplanada onde se deu a celebração. Milhares de pessoas dormiram no local, ao ar livre, à espera do papa.

“Quando a ‘família’ se torna o critério decisivo para o que consideramos certo e bom, acabamos justificando e até `consagrando’ práticas que levam à cultura de privilégios e exclusão, favoritismo, padronato e, como consequência, corrupção“, afirmou Francisco em sua homília. Ele criticou a cultura que só provê aqueles conectados a determinados grupos, deixando muitas outros excluídos permanentemente ou, na melhor das hipóteses, marginalizados e sem oportunidades de melhorar suas vidas.

Segundo o portal Crux, em seu caminho até o local da missa, nos arredores de Antananarivo, o papa percorreu uma estrada precária e pode ver casas precárias de madeira, mulheres lavando roupa na fonte de água usada para beber, cozinhar e irrigar os campos de arroz. Também viu crianças fabricando e vendendo tijolos de barro e implorando por comida. Também viu casas de tijolos, de onde crianças bem-vestidas acenavam para ele.

O papa visitou Moçambique na semana passada e seguirá, na segunda-feira, 9, para as Ilhas Maurício, também no Oceano Índico. Ele encerrou sua visita a Moçambique com uma visita a portadores do HIV-AIDS e com uma missa no estádio de futebol Zimpeto, na sexta-feira 6.

Freiras passam por corredor de soldados destacados para a segurança do papa em Antananarivo – 08/09/2019 Marco Longari/AFP
Continua após a publicidade

Em tom pacificador, Francisco pediu para que os moçambicanos deixem os conflitos para trás e busquem cada vez mais a reconciliação. A população de Moçambique viveu em guerra civil entre 1977 e 1992, mas ainda se vê atormentada pela violência entre facções políticas.

No centro médico DREAM, em Zimpeto, o papa recebeu de presente um báculo de madeira em forma de cruz. O presente foi confeccionado com material de uma casa pelo ciclone Idai na cidade de Beira. As pequenas cruzes escrustadas foram feitas com a chapa de metal do telhado da casa destruída de uma idosa, disse o diretor de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni, segundo o segundo a agência de notícia portuguesa ACI.

O ciclone Idai devastou o sul da África em março passado. Em Moçambique, 1,8 milhão de pessoas foram afetadas. Em Malawi, 869.000 pessoas e no Zimbábue, 270.000.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)