Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Panamá libera norte-coreanos acusados de contrabando de armas

Três tripulantes ainda terão de responder a acusações no Panamá. Embarcação foi interceptada em julho, quando seguia de Cuba para a Coreia do Norte

Por Da Redação 27 nov 2013, 19h05

O Panamá vai liberar 32 dos 35 tripulantes norte-coreanos detidos há mais de quatro meses sob a acusação de contrabandear armas cubanas pelo canal do Panamá. Os três tripulantes que comandavam a embarcação interceptada ainda responderão a acusações de ameaça à segurança nacional e transporte de armas não declaradas.

No dia 15 de julho, as autoridades panamenhas apreenderam um navio de bandeira norte-coreana que carregava armamentos escondidos debaixo de uma carga de açúcar mascavo. A embarcação vinha de Cuba com destino à Coreia do Norte e foi retida no porto de Manzanillo, localizado no lado do Atlântico do canal do Panamá.

Leia também:

Coreia do Norte pede liberação de navio retido no Panamá

“Os tripulantes efetivamente já estão liberados. A ordem de liberação já está sendo feita e todos vão para Havana. Entendo que entre hoje e amanhã eles devem partir”, disse o responsável pela área de combate ao terrorismo do Ministério das Relações Exteriores, Tomas Cabal.

Continua após a publicidade

Além das armas, foram encontrados na embarcação dois aviões de combate MiG-21 e um sistema de radar de mísseis, também escondidos entre dezenas de milhares de sacos de açúcar. As autoridades panamenhas disseram que os 32 tripulantes que serão liberados pareciam não ter conhecimento sobre a carga que ajudavam a transportar.

O Conselho de Segurança da ONU ainda precisa se posicionar sobre possíveis punições contra Cuba por violar a proibição de transferir armas para a Coreia do Norte, sanção imposta há sete anos em reação ao programa nuclear de Pyongyang.

O regime cubano afirmou que o navio levava 240 toneladas de material de defesa “obsoleto”, em sua maioria de origem soviética, que passaria por uma manutenção na Coreia do Norte e seria devolvido à ilha. Disse ainda que o açúcar era uma doação à população norte-coreana.

Ainda não se sabe o que será feito do navio, já que a multa de 1 milhão de dólares imposta pela autoridade do canal do Panamá não foi paga. As armas devem ser vendidas ou distribuídas, segundo o Ministério de Relações Exteriores do Panamá.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês