Panamá acusa 17 pessoas por envolvimento em suborno da Odebrecht

A procuradoria geral se recusou a identificar os acusados, mas entre os nomes estão três ex-funcionários do ex-presidente Ricardo Martinelli

Por Da redação - Atualizado em 25 jan 2017, 14h19 - Publicado em 25 jan 2017, 08h35

Promotores panamenhos indiciaram 17 pessoas, incluindo vários empresários e ex-funcionários do governo, por lavagem de dinheiro, como parte do caso envolvendo milhões de dólares em subornos pagos pelo grupo brasileiro de engenharia Odebrecht.

A procuradora-geral Kenia Porcell se recusou a identificar os acusados, mas a imprensa local informou que entre os nomes estão três ex-funcionários do ex-presidente Ricardo Martinelli, que atualmente vive nos Estados Unidos e está sendo investigado separadamente por corrupção no Panamá.

A Odebrecht, que se tornou uma das principais empreiteiras sob o governo de Martinelli, concordou verbalmente neste mês em pagar 59 milhões de dólares em compensações pelos suborbos pagos no Panamá para ganhar licitações entre 2010 e 2014.

A cifra equivale ao montante que a Odebrecht admitiu pagar a autoridades e intermediários no país, em acordo anunciado em dezembro na justiça norte-americana.

Publicidade

(Com Reuters)

 

Publicidade