Clique e assine com até 92% de desconto

Pai e filho refugiados que levaram rasteira de jornalista chegam à Espanha

Osama Mohsen recebeu uma oferta de trabalho em uma escola de treinadores de futebol

Por Da Redação 16 set 2015, 19h42

O refugiado sírio Osama Abdul Mohsen, que ficou conhecido após levar uma rasteira da jornalista húngara Petra Laszlo, chegou à Espanha nesta quarta-feira, após aceitar a oferta de trabalho feita pela Escola Nacional de Treinadores de Futebol (Cenafe), em Getafe, cidade próxima à capital Madri.

Leia mais:

Vídeo: Jornalista húngara dá rasteira em refugiados que tentam entrar na Hungria

Acompanhado de seu filho mais novo, de 7 anos, e de membros da escola, ele viajou de Munique, na Alemanha, e desembarcou no fim da noite desta quarta-feira na estação de Atocha, em Madri.

Visivelmente emocionado ao descer do trem, Mohsen agradeceu à Espanha pela oportunidade, repetindo várias vezes a frase “I love Spain” (Eu amo a Espanha).

Um dos alunos da escola que acompanhou Mohsen no trajeto disse que o refugiado está muito feliz pela chance de começar uma nova vida, e que também espera trazer sua mulher e seu filho mais velho, que seguem na Turquia, para o país o mais rápido possível.

Mohsen, de origem síria, aparece no vídeo que mostra a jornalista húngara dando rasteira e chute em refugiados que tentavam fugir de policiais na cidade de Röskze, junto à fronteira com a Sérvia. Por causa da agressão, ele caiu no chão com seu filho nos braços.

As imagens foram divulgadas em todo o mundo, o que fez com que a Cenafe oferecesse ao refugiado uma oferta de trabalho como treinador em Getafe e, com isso, uma oportunidade de morar na Espanha.

O refugiado sírio Osama Abdul Mohsen segura seu filho Zaid durante desembarque na estação de trem de Barcelona. Eles conseguiram chegar à Espanha após serem agredidos por uma cinegrafista húngara - 16/09/2015
O refugiado sírio Osama Abdul Mohsen segura seu filho Zaid durante desembarque na estação de trem de Barcelona. Eles conseguiram chegar à Espanha após serem agredidos por uma cinegrafista húngara – 16/09/2015 VEJA

(Com EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade