Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Os grandes resultados dos pequenos países

Pequenos têm economias mais voláteis, mas podem prosperar construindo instituições democráticas fortes e criando laços com nações maiores

A votação da Escócia sobre a independência do Reino Unido tem estimulado o amplo debate sobre a separação de Estados pequenos, tais como a Eslovênia e a Croácia em 1991, ou o movimento de independência atual na Comunidade Autônoma da Catalunha na Espanha. Mas nem um foco estreito sobre as implicações políticas e econômicas para a Escócia e o Reino Unido – nem, aliás, o resultado decisivo pro-união do referendo – devem ofuscar as lições mais amplas de uma das tendências geopolíticas mais negligenciadas do nosso tempo: a ascensão dos países pequenos.

Aproximadamente 75% dos países pequenos de hoje foram formados nos últimos 70 anos, principalmente como resultado de transições democráticas mais amplas e em conjunto com o crescimento do comércio e da globalização. Seus sucessos e fracassos são mais relevantes para as discussões atuais do que, digamos, as implicações fiscais da independência escocesa.

As lições a aprender com estes casos são úteis não só para novos e potencialmente novos pequenos países. De forma relativa, os pequenos e jovens países na África, Caribe e Oriente Médio também podem se beneficiar, examinando os segredos do sucesso de Cingapura, as causas e efeitos da bolha imobiliária da Irlanda e a decisão da Dinamarca em desenvolver sólidas habilidades de luta contra o terrorismo, apesar de sua relativa segurança. De fato, tais considerações podem ajudá-los a traçar um caminho para a prosperidade econômica e coesão social. Obviamente, ao aprender com os outros, os países devem sempre ter cuidado para evitar a “insensatez da imitação”. Os países nórdicos, por exemplo, se beneficiaram significativamente de características sociais, jurídicas e políticas profundamente arraigadas que não são fáceis de serem transferidas às suas contrapartes em países em desenvolvimento.

Leia também

Rainha cita “amor duradouro” pela Escócia ao comentar plebiscito

Escócia rejeita independência e continua no Reino Unido

Após vitória do “não”, Cameron promete mais poder para outras regiões do Reino Unido​

UE e Espanha demonstram alívio com vitória do “não” na Escócia​

Em geral, os países pequenos mais velhos ultrapassam os médios e grandes em termos de desempenho econômico e social, abertura ao comércio internacional e entusiasmo pela globalização – recursos que países mais jovens devem trabalhar para promover. Mas o crescimento econômico dos países pequenos geralmente é mais volátil – uma tendência que Estados mais jovens devem aprender a conter se eles querem prosperar no longo prazo.

A questão de governo “grande” ou “pequeno” é menos relevante, apesar da impressão que passam os acalorados debates em grandes países como os Estados Unidos. O total das despesas do governo tem apenas pouca relação com o tamanho do governo. Um elemento mais representativo seria salários do setor público – a única área onde os grandes países parecem se beneficiar de economias de escala. Os países menores gastam mais, em percentagem do PIB, na educação e saúde – outro hábito que os novos países pequenos fariam bem em conservar.

De fato, existe uma forte correlação positiva entre o ritmo de crescimento econômico e a “infraestrutura intangível” – a combinação de educação, saúde, tecnologia, e o Estado de Direito que promove o desenvolvimento humano capital e habilita as empresas a crescer de forma eficiente. Os pequenos países são responsáveis por sete entre os dez países com a melhor infraestrutura intangível.

Além disso, medidas como a qualidade das instituições, a adequação para prosperar em um mundo globalizado, a estabilidade da produção econômica e o nível de desenvolvimento humano, e um índice de poder do país pode ser estabelecido, onde treze dentre os melhores vinte atores são pequenos, sendo os mais bem sucedidos Suíça, Cingapura, Dinamarca, Irlanda e Noruega. Outros países pequenos resilientes são Nova Zelândia, Áustria, Suécia e Finlândia. Certamente, há uma tendência clara de “velha Europa” aqui. Países pequenos em como Croácia, Kuwait, Omã e Uruguai podem considerar os conselhos para imitar países como a Suíça e a Noruega como sendo impraticáveis.

Mas um conjunto útil de prioridades pode ser construído aos poucos a partir de suas experiências. Especificamente, os pequenos países em desenvolvimento devem centrar-se na construção de instituições, tais como bancos centrais e ministérios das finanças, que explicitamente buscam minimizar a volatilidade macroeconômica associada à globalização. Eles também devem avançar o Estado de Direito, desenvolver sistemas de serviços de saúde e educação pública fortes e eficientes e incentivar a indústria nacional a enfatizar o retorno, ao invés de custo de capital, como métrica balizadora. Além da imitação, os países pequenos podem ajudar-se mutuamente através de alianças diretas. Surpreendentemente, existem muito poucas dessas alianças, com muitos pequenos países – especialmente aqueles em desenvolvimento – cultivando laços estreitos com os países grandes. O risco é claro, é que as suas vozes acabem sendo abafadas pelas entidades maiores, tolhendo a capacidade de fazer o que é melhor para os seus próprios cidadãos.

Em um ambiente geopolítico e econômico de rápida mudança – caracterizado por desafios como a alta da taxa de juros, estimulada pelos níveis elevados de dívida; reduções do regime fiscal; alteração dos padrões de imigração; e uma possível desaceleração no ritmo de globalização – os países pequenos precisam ser capazes de identificar e avaliar riscos e ajustar suas estratégias de acordo com eles. Desta forma, mesmo sem independência total, isso é precisamente o que a Escócia, que tem a promessa de autonomia ainda maior do que já tem dentro do Reino Unido, terá de fazer se quer ser bem sucedida.

Michael O’Sullivan, membro do Credit Suisse Research Institute, é o autor de Ireland and the Global Question e co-editor de What Did We Do Right?

Stefano Natella é membro do Credit Suisse Research Institute.

© Project Syndicate, 2014

(Tradução: Roseli Honório)