Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Orbán supera oposição unida e conquista quarto mandato seguido na Hungria

Com 91% dos votos apurados, partido do premiê nacionalista somava 135 das 199 cadeiras no Parlamento

Por Da Redação Atualizado em 4 abr 2022, 17h27 - Publicado em 4 abr 2022, 08h14

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, venceu as eleições legislativas deste domingo, 3, com resultados preliminares mostrando uma grande margem de vantagem de seu partido, apesar de a oposição ter se unido em torno de um candidato único pela primeira vez em 12 anos.

A oposição, formada por seis diferentes linhas ideológicas, reconheceu a derrota para o Fidesz, partido do premiê da extrema-direita nacionalista, depois de Orbán declarar uma “vitória excepcional” que lhe garantiu seu quarto mandato consecutivo, seu quinto na história do país.

Com 91% dos votos apurados, o Fidesz havia conquistado 135 das 199 cadeiras no Parlamento, enquanto a oposição tinha 56 assentos. Com esses resultados, Orbán repete o desempenho de 2010, 2014 e 2018 e tem dois terços do Parlamento, uma maioria que permite que aprove mudanças na Constituição sem depender da oposição.

“Conseguimos uma enorme vitória”, disse o controverso premiê, diante de milhares de correligionários. “Uma vitória que, talvez, possa ser vista desde a Lua, mas certamente, que pode ser vista desde Bruxelas”, em referência clara à União Europeia, que abriu expediente contra a lei húngara que limita os ensinos nas escolas sobre homessexualidade e questões de gênero

Os resultados confirmam também as diferenças dentro da Hungria, com o Fidesz dominando em localidades rurais, e a oposição tendo vantagem nas grandes cidades. Uma das surpresas das eleições foi o desempenho do partido de extrema-direita Nossa Pátria, que supera, até o momento, a barreira dos 5% dos votos e poderia conseguir cinco cadeiras no Parlamento, pelo menos.

Continua após a publicidade

Nas últimas duas eleições na Hungria, em 2014 e 2018, a missão de observação enviada pela Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) classificou os pleitos como “livres”, mas também como “injustos”.

As críticas da instituição giravam em torno de uma cobertura jornalística constante e muito favorável ao primeiro-ministro, que controla quase todos os veículos de imprensa do país; e pela pouca diferença entre a propaganda de Estado e a do partido de Orbán.

A organização anticorrupção K-Monitor informou, em recente relatório, que o Fidesz gastou oito vezes mais nas últimas eleições do que todos os partidos de oposição juntos. Péter Márki-Zay, o candidato a primeiro-ministro da oposição, descreveu as eleições da Hungria como uma luta de “Davi contra Golias”, devido ao “maquinário de propaganda, com recursos ilimitados” do governismo.

De acordo com analistas, a guerra na Ucrânia beneficiou Orbán, que se apresentou diante do eleitorado como um garantidor da estabilidade em tempos turbulentos. O tema foi inclusive explorado pelo premiê. 

A guerra mudou tudo, também nossa campanha”, disse o primeiro-ministro durante comício no mês passado, acrescentando que os húngaros devem eleger entre “a guerra ou a paz”. Para Orbán, a oposição ao seu governo é belicista, por sua solidariedade com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

O premiê foi, durante anos, o aliado europeu mais próximo ao presidente da Rússia, Vladimir Putin. Contudo, embora a Hungria tenha se juntado às sanções da União Europeia, se negou a fornecer armas para Kiev, proibindo, inclusive, a passagem de material bélico em seu território.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)