Clique e assine a partir de 9,90/mês

Opositor venezuelano em greve de fome perdeu 10 quilos e está em cadeira de rodas

Leopoldo López, chefe do partido Vontade Popular, e Daniel Ceballos, ex-prefeito de San Cristóbal, protestam contra o autoritarismo de Nicolás Maduro

Por Da Redação - 2 jun 2015, 22h01

Os opositores venezuelanos Leopoldo López, chefe do partido Vontade Popular, e Daniel Ceballos, ex-prefeito de San Cristóbal, têm apresentado sinais de “deterioração” em decorrência de uma greve de fome que já dura mais de uma semana, informaram seus advogados nesta terça-feira. Ceballos, recluso em uma prisão de presos comuns no centro da Venezuela, perdeu “pelo menos dez quilos em consequência da greve de fome, além de usar cadeira de rodas e fita adesiva na boca”, afirmou a defesa do político, por meio de um comunicado emitido pela plataforma opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD). Segundo o jornal El Nacional, o ex-prefeito já teria até se despedido de sua mãe por sentir que seu quadro clínico pode ser irreversível.

Leia também:

Maduro impede visita de ex-presidentes a presos políticos

Em greve de fome, Leopoldo López vai à audiência de ambulância

Segundo a coalizão opositora, Ceballos, que completa hoje doze dias sem ingerir alimentos, “se deteriora a passos acelerados, devido ao prolongamento de sua greve de fome e à alta temperatura” da área onde se encontra a prisão. Ceballos iniciou o jejum em 22 de maio para cobrar das autoridades uma data fixa para as eleições parlamentares do país e para exigir a presença de observadores da Organização dos Estados Americanos (OEA) e da União Europeia durante o pleito. O político também pede a libertação dos opositores considerados “presos políticos” e o fim da “censura” e da “repressão” promovida pelo governo bolivariano de Nicolás Maduro.

Horas após o ex-prefeito ter começado a greve de fome, López anunciou que também iria aderir ao jejum. Para punir os opositores, as autoridades transferiram Ceballos da prisão militar onde ele cumpria pena para uma penitenciária comum, localizada a cerca de 150 quilômetros da capital venezuelana. López foi preso após Maduro acusá-lo de “incitar a violência” nas manifestações que resultaram na morte de 43 pessoas, no ano passado. Ceballos, por sua vez, foi denunciado por respaldar os bloqueios montados por ativistas em vias públicas. Segundo a mulher do chefe do Vontade Popular, Lilian Tintori, López já perdeu cinco quilos desde que iniciou o protesto.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade