Clique e assine com até 92% de desconto

Opositor russo Navalny foi envenenado com agente nervoso, diz Alemanha

Crítico a Moscou viajava de uma cidade na Sibéria para a capital russa quando começou a passar mal; Rússia tem histórico de envenenamento de desafetos

Por Da Redação Atualizado em 2 set 2020, 12h27 - Publicado em 2 set 2020, 11h59

O porta-voz o governo da Alemanha, Stefen Seibert, afirmou nesta quarta-feira, 2, que o líder opositor russo, Alexei Navalny, foi envenenado por uma substância utilizada para a produção de armas químicas pertencente ao grupo do agente nervoso Novichok.

As informações, segundo o integrante do governo liderado pela chanceler Angela Merkel, são baseadas nos exames realizados pelo Hospital Universitário La Charité, em Berlim, para onde o político foi transferido no último dia 22.

Em um comunicado, Seibert afirmou que “não há dúvidas” de que Navalny foi envenenado com “um agente químico nervoso do grupo Novichok”. O resultado das investigações, de acordo com Berlim, será informado ao embaixador russo na Alemanha.

O opositor russo foi envenenado quando viajava de uma pequena cidade na Sibéria para Moscou. O avião teve que pousar na cidade de Omsk após Navalny começar a passar mal. Dois dias após sua internação, ele foi transferido para a Alemanha com a ajuda de uma ONG. O governo russo nega participação no suposto envenenamento.

  • Não é a primeira vez que agente um químico é usado para este fim nos últimos anos. Em 2018, o ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha foram envenenados com Novichok após saírem de casa na cidade de Salisbury, no Reino Unido.

    O Novichok, palavra em russo para “novato”, representa um grupo de substâncias neurotóxicas desenvolvidas pela União Soviética entre as décadas de 1970 e 1980, criadas sobretudo para tentar driblar a detecção por parte de inspetores internacionais. Assim como outros agentes nervosos, a substância age bloqueando mensagens dos nervos para os músculos, gerando colapso de funções corporais. Em doses altas, pode provocar convulsões e interromper a respiração.

    ASSINE VEJA

    A esperança dos novatos na bolsa Leia nesta edição: a multidão de calouros no mercado de ações, a ‘lista negra’ de Bolsonaro e as fraudes na pandemia
    Clique e Assine
    Continua após a publicidade
    Publicidade