Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Oposição ucraniana desocupa prefeitura de Kiev

Manifestantes estavam no local havia mais de dois meses. Saída foi acordada com o governo em troca da libertação de centenas de ativistas presos

Por Da Redação 16 fev 2014, 13h01

Após mais de dois meses de ocupação, ativistas ucranianos deixaram a prefeitura da capital do país neste domingo. A desocupação fez parte de um acordo para a libertação de manifestantes detidos durante os protestos. Na última semana, 234 ativistas que estavam presos foram liberados. Agora, os manifestantes precisarão desocupar outros prédios em Kiev e outras cidades do país.

Os manifestantes haviam tomado a prefeitura em 1º de dezembro, cerca de uma semana depois da eclosão de grandes protestos contra a decisão do presidente ucraniano, Viktor Yanukovych, de abandonar a negociação de um aguardado tratado econômico com a União Europeia.

Leia também:

Ucraniano que foi torturado deixa Kiev para buscar tratamento

​Kerry declara apoio dos EUA aos protestos da Ucrânia

No domingo passado, a oposição ucraniana mobilizou em Kiev mais de 70 mil manifestantes contra o presidente. Viktor Yanukovich enfrenta um delicado dilema com a formação de um novo governo, muito esperado pela Rússia e pelo Ocidente.

Rússia, de um lado, e União Europeia (UE) e Estados Unidos, de outro, disputam influência sobre o regime ucraniano. Eles esperam a nomeação de um novo primeiro-ministro, após a renúncia de Nikolai Azarov e seu gabinete no dia 28 de janeiro. A decisão se anuncia difícil para Yanukovich, muito pressionado pela Rússia, mas também pela UE e pelos Estados Unidos, que ofereceram ajuda econômica.

Continua após a publicidade

Moscou ofereceu à Ucrânia uma ajuda financeira de 15 bilhões de dólares e uma redução do preço de seu gás em um terço, depois que Yanukovich rejeitou em novembro assinar um acordo de associação com a União Europeia para se aproximar da Rússia.

Parece pouco provável que Yanukovich possa encontrar um candidato aceitável ao mesmo tempo para a Rússia e para os ocidentais, que exigem um governo técnico de unidade nacional, onde a oposição pró-europeia tenha um peso real.

Saiba mais:

​Por que UE e Rússia querem tanto a Ucrânia?

Ucrânia, um país com um histórico de tragédias

A oposição exige, em primeiro lugar, uma reforma constitucional que reabilite princípios da Carta Magna de 2004, que reduziu os poderes presidenciais em favor do Parlamento e do governo. O presidente diz que está disposto a negociar uma reforma constitucional, mas propõe a elaboração de um novo texto que pode levar vários meses. A oposição rejeita esta última opção, por considerá-la uma estratégia para ganhar tempo.

(com Estadão Conteúdo e France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade