Clique e assine a partir de 9,90/mês

Oposição síria firma pacto contra Bashar Assad

Entre objetivos está trabalho conjunto após eventual queda do regime

Por Da Redação - 11 nov 2012, 11h41

Entenda o caso

  1. • Na onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março de 2011 para protestar contra o regime de Bashar Assad.
  2. • Desde então, os rebeldes sofrem violenta repressão pelas forças de segurança, que já mataram milhares de pessoas no país.
  3. • A ONU alerta que a situação humanitária é crítica e investiga denúncias de crimes contra a humanidade por parte do regime.

Leia mais no Tema ‘Guerra Civil na Síria’

Grupos de oposição da Síria firmaram neste domingo, em Doha, um acordo para a formação de uma coalizão nacional contra o regime do ditador Bashar Assad. “Este acordo é fruto de um compromisso gerado após intensas negociações entre os partidos da oposição, entre eles o Conselho Nacional Sírio (CNS)”, afirmou Sadredin Bayanuni, ex-chefe da Irmandade Muçulmana da Síria.

Leita também:

Continua após a publicidade

Explosões matam dezenas na Síria

Conflito na Síria deixa 11.000 refugiados

Representantes de diferentes grupos estavam reunidos em um hotel da capital do Catar. Os debates tiveram início no sábado e se prolongaram pela madrugada de domingo.

Continua após a publicidade

“O mais importante é que o acordo enfatize a necessidade de trabalhar em conjunto após a queda do regime e que especifique claramente que não haverá nenhum tipo de diálogo com Assad”, disse Ahmad Ramadan, dirigente do CNS. A coalizão, segundo ele, terá que “trabalhar para unificar os conselhos militares” que combatem no terreno as tropas do regime.

No sábado, o Catar, apoiada pelos Estados Unidos e pelos Emirados Árabes Unidos, pressionou a oposição síria para que formasse uma liderança, mas os delegados disseram que precisavam de mais um dia para chegar a um acordo.

O CNS era considerado um “interlocutor legítimo” pela comunidade internacional. Contudo, recentemente, vem sendo acusado de ser ineficaz, desunido e fora de sintonia com os insurgentes e ativistas dentro da Síria. Membros do CNS, por sua vez, alegam que seus partidários estrangeiros deveriam se esforçar mais para armar os rebeldes e proteger os civis, em vez de concentrar a atenção na criação de um novo grupo de oposição.

Os protestos anti-Assad começaram em março de 2011 e têm sido violentamente reprimidos pelas forças de segurança. Segundo fontes sírias, o conflito no país já deixou mais de 38.000 mortos.

Continua após a publicidade

(Com Agências AFP e Reuters)

Publicidade