Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Oposição diz que governo precisa ouvir reclamações

Presidente tentou minimizar gigantesco protesto realizado nesta quinta-feira

Por Da Redação - 9 nov 2012, 17h31

“Imprensa livre; Justiça independente“. “A Constituição não se reforma, se respeita”. “Fim à corrupção”. Estas foram as principais mensagens da população durante o gigantesco panelaço realizado em várias partes da Argentina – e também por argentinos que moram em outros países – nesta quinta-feira.

“Um protesto tão gigantesco expõe o governo a um desafio delicado. Uma resposta ruim pode colocá-lo no caminho de uma crise política”, opinou o jornal argentino La Nación.

Leia também:

Leia também:

Publicidade

“Vivemos uma ditadura com votos. A Argentina está imitando a Venezuela”

A reação da presidente Cristina Kirchner foi tentar minimizar o protesto, enquanto opositores tentaram capitalizar a manifestação.

Ex-governador de Santa Fé e líder da oposicionista Frente Ampla Progressista (FAP), Hermes Binner disse que é preciso “escutar o que as pessoas dizem” e defendeu a busca de consensos.

O deputado dissidente do peronismo Francisco de Narváez avaliou que o protesto foi uma mensagem para todos os setores políticos e acrescentou que “não há pior surdo do que aquele que não quer ouvir”.

Publicidade

Economia: “O problema do nosso país é a visão de curto prazo”

Para a cada vez mais impopular Cristina Kirchner, restou tentar minimizar o protesto, ao dizer: “Ontem aconteceu algo muito importante, o congresso do Partido Comunista chinês”. Ela também criticou o que considera um “formidável aparato cultural para que os argentinos tenham uma ideia distorcida de seu próprio país”.

A presidente disse que não vai mudar seus ideais e ressaltou que “o verdadeiro problema é a falta de uma liderança política que represente um modelo alternativo”. “Disso não podemos nos encarregar. Nós acreditamos no nosso (modelo). Que se encarreguem os que não acreditam no nosso em fazer o seu”.

Saiba mais:

Publicidade

Deputados opositores rejeitam reeleição de Cristina

Maioria dos argentinos é contra reforma constitucional

protesto realizado em 13 de setembro

nova legislação do setor

Publicidade

A lista de insatisfações dos argentinos é longa; abrange desde as limitações para comprar dólar até a falta de segurança. À lista somou-se, na véspera do panelaço, um apagão que provocou caos nas principais avenidas de Buenos Aires e prejudicou os moradores no horário de maior movimento na volta para casa.

Publicidade