Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Oposição aumenta pressão contra Maduro com greve geral

A Confederação de Indústrias recomendou às empresas que deem liberdade aos funcionários para participar da greve, porque é 'um direito constitucional'

Por Da redação Atualizado em 28 out 2016, 09h33 - Publicado em 28 out 2016, 09h13

A oposição venezuelana pretende intensificar nesta sexta-feira a pressão contra o presidente Nicolás Maduro com uma greve geral que o governo prometeu rebater com intervenções militares nas empresas, caso interrompam atividades. “A convocação de greve cidadã é para o povoo: deixar as ruas e postos de trabalho vazios para pressionar o governo a acatar a Constituição e respeitar nosso direito de eleição”, afirmou a coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) em um comunicado.

A greve, que começou às 6h00 locais (8h00 de Brasília) e vai acabar às 18h00 (20h00), é parte da estratégia adotada pela oposição para forçar a saída de Maduro do poder, após a suspensão na semana passada do processo para a convocação do referendo revogatório. Oficiais das Forças Armadas devem inspecionar 720 empresas para verificar suas atividades. Nesta semana, o alto comando militar declarou “lealdade incondicional” a Maduro.

Leia também
Com inflação de 700%, Maduro aumenta salário mínimo em 40%
Protestos na Venezuela deixam um morto e muitos feridos
Como a Venezuela se tornou a pior economia do mundo

Maduro destacou que responderá energicamente à “sabotagem” e “golpe parlamentar”, como chama a greve e o plano da maioria opositora na Assembleia Nacional de declará-lo em “abandono de cargo”, por considerar o presidente responsável pela crise política e econômica.

Empresários e economistas acusam o modelo chavista de desmantelar a capacidade produtiva do país, muito afetado pela queda dos preços do petróleo e dependente das importações. A Confederação de Indústrias da Venezuela recomendou às empresas que deem liberdade aos funcionários para participar da greve, porque o protesto é “um direito constitucional”. Ao apoiar a convocação da MUD, o vice-presidente da organização empresarial Fedecámaras, Carlos Larrazábal, afirmou que está não é uma paralisação patronal, e sim uma “greve cidadã”.

Aumento fictício — Tentando aplacar os ânimos da população que sofre com a grave crise, nesta quinta, Maduro anunciou o aumento de 40% do salário mínimo. Apesar de ser o quarto aumento em 2016, os venezuelanos reclamam que os salários não cobrem quase nada, ante uma inflação que, segundo o FMI, deve chegar a 700% este ano, a maior do mundo.

De acordo com o instituto Venebarómetro, Maduro enfrenta uma impopularidade de 76,4%, ao mesmo tempo que 67,8% dos venezuelanos se declaram favoráveis à revogação de seu mandato, que vai até janeiro de 2019.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade