Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Oposição acusa Assad de perpetrar novo ataque químico

Vídeo em que homem aparece inconsciente e recebendo tratamento médico teria sido filmado após armas químicas serem usadas na capital Damasco

Opositores do regime de Bashar Assad acusaram o ditador sírio de ordenar um novo ataque com armas químicas na capital Damasco. Desta vez, os rebeldes acusaram Assad de cometer crimes contra a própria população após um vídeo, postado na quinta-feira na internet, mostrar um homem inconsciente e recebendo tratamento médico. A agência de notícias Reuters disse que não pôde comprovar a veracidade das alegações devido à falta de segurança no país.

Leia também:

Guerra civil na Síria já matou mais de 150.000, diz ONG

Já são mais de 1 milhão de refugiados sírios no Líbano

O ataque em questão teria ocorrido na vizinhança de Jobar. Enquanto o homem ferido é atendido pelos médicos, uma voz aparece ao fundo gritando que armas químicas haviam sido jogadas contra a população. Um dos grupos rebeldes da região afirmou que todos os afetados pelos gases tóxicos estavam em “boas condições”. Em agosto do ano passado, outra ofensiva com armas químicas perpetrada por forças ligadas a Assad deixou 1.400 mortos e desencadeou uma crise diplomática mundial.

Frente à ameaça de uma intervenção militar americana no país, o ditador sírio aceitou a proposta russa de assinar um pacto para destruir todo o seu arsenal químico. A operação foi entregue à Organização para Proibição das Armas Químicas (Opaq), que vem monitorando os esforços de diversos países envolvidos na complexa operação de retirada dos gases tóxicos do país. Devido à instabilidade regional e os frequentes conflitos armados entre o Exército sírio e grupos rebeldes, a operação apresentou um considerável atraso e dificilmente será cumprida dentro do prazo inicial, estipulado para os meses de junho e julho deste ano.

Saiba mais:

Emprego de armas químicas rompe marco civilizatório

Diretor da Opaq fala sobre restrições ao trabalho na Síria

Denúncia – A acusação feita por opositores ocorre uma semana depois de o governo sírio ter endereçado uma carta às Nações Unidas dizendo que interceptou comunicações de rebeldes que planejavam um ataque com armas químicas na mesma vizinhança de Jobar. Os opositores, segundo o regime sírio, estavam distribuindo secretamente máscaras de gás para a população defender-se da ofensiva. De acordo com a base aliada de Assad, os indícios “confirmavam que terroristas armados estavam se preparando para usar gases tóxicos em Jobar e em outras áreas com o intuito de acusar o governo sírio de ter cometido tal ato de terrorismo.”

(Com agência Reuters)