Clique e assine com até 92% de desconto

Opaq estabelece prazos para destruir arsenal químico sírio

Plano determina a eliminação das armas químicas até o final de junho de 2014

Por Da Redação 16 nov 2013, 01h27

A Organização para a Proibição das Armas Químicas (Opaq) anunciou nesta sexta-feira a aprovação de um plano para a destruição do arsenal químico sírio. O conselho executivo do órgão tinha apenas até esta sexta para determinar os prazos para a erradicação das mais de 1 000 toneladas de armas químicas do regime de Damasco. A proposta para eliminar o arsenal sírio foi estabelecida em um pacto entre Estados Unidos e Rússia, que evitou uma intervenção militar no país árabe, mergulhado em uma guerra civil desde o início de 2011.

Leia também:

Síria destrói centros de produção de armas químicas

Putin telefona para Assad e discute medidas de paz

O calendário aprovado nesta sexta determina que o arsenal químico seja transportado para fora do território sírio e destruído da maneira “mais segura e mais rápida” possível até 30 de junho de 2014. Segundo a Opaq, as armas químicas “mais críticas” serão removidas até 31 de dezembro, e o restante até 5 de fevereiro.

Infográficos

Cronologia: o emprego de armas químicas e os esforços para bani-las

Continua após a publicidade

Conheça os principais ataques com armas químicas empreendidos ao longo da história e as tentativas de bani-las do front

O pacto foi aprovado apesar de um revés de última hora: a Albânia, que havia se comprometido a receber o arsenal e hospedar sua destruição, desistiu do projeto após pressões internas. A Opaq não revelou qual será o novo destino do arsenal sírio, mas a rede britânica BBC especula que França e Bélgica são as alternativas mais prováveis.

Inspetores – No mês passado, a equipe conjunta da Opaq e da ONU confirmou a eliminação dos centros de produção de armas químicas, antes do prazo final de 1º de novembro. Os inspetores internacionais estão na Síria desde o início de outubro, após a aprovação do pacto de russos e americanos para eliminar o arsenal químico sírio. O acordo permitiu evitar uma ofensiva militar dos EUA que parecia ser iminente, depois que um ataque químico no dia 21 de agosto perto de Damasco que deixou centenas de mortos.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade
Publicidade