Clique e assine a partir de 9,90/mês

ONU quer Arábia Saudita investigada por invasão de celular de Jeff Bezos

Órgão vê tentativa de 'silenciar' cobertura do 'Washington Post' sobre o país; bilionário teve aparelho atacado após receber vídeo do príncipe saudita

Por Da Redação - 22 jan 2020, 13h50

A Organização das Nações Unidas (ONU) pediu aos Estados Unidos nesta quarta-feira, 22, que investiguem a Arábia Saudita devido à suspeita de envolvimento do príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, na invasão do celular de Jeff Bezos, fundador da Amazon e dono do jornal The Washington Post.

Reportagem do jornal britânico The Guardian afirmou que a investigação sobre o hackeamento do aparelho do bilionário apontou para o príncipe saudita.

Os consultores do Alto Comissariado de Direitos Humanos das Nações Unidas, Agnes Callamard e David Kaye, disseram que a evidência da invasão é uma clara “contravenção aos padrões internacionais de direitos humanos” e “um esforço para influenciar, se não silenciar, a cobertura do The Washington Post sobre a Arábia Saudita”.

Crítico dos autocratas sauditas, o jornalista Jamal Khashoggi era colunista da publicação. Ele foi assassinado por agentes do regime saudita nas dependências do consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia.

Continua após a publicidade

“Num momento em que estava supostamente investigando a morte de Khashoggi e processando aqueles que considerava responsáveis (pelo assassinato), a Arábia Saudita estava clandestinamente realizando uma campanha online maciça contra Bezos e a Amazon, atingindo-o principalmente como o dono do The Washington Post”, afirmam os relatores.

A Arábia Saudita já havia negado as acusações que enfrenta nesta quarta-feira. Por meio da conta oficial da embaixada saudita nos Estados Unidos, o governo disse que as evidências são “absurdas” e pediu por uma investigação independente que mostrasse sua inocência.

O relatório que jogou a culpa para a Arábia Saudita foi divulgado em reportagem do The Guardian, que teve acesso aos resultados da investigação. Segundo as reportagens, Bin Salman e Bezos trocaram seus números de celular durante um jantar em Los Angeles, em abril de 2018. No mesmo dia, o príncipe herdeiro iniciou uma conversa via WhatsApp com o executivo americano. No mês seguinte, Bezos recebeu um vídeo do saudita – o relatório não diz se ele foi aberto – e dentro de poucas horas, o volume de dados sendo transferidos de seu celular aumentou em 300%.

A investigação foi aberta após o tabloide americano National Enquirer publicar uma reportagem com conversas e fotos íntimas de Bezos com a nova companheira, a jornalista Lauren Sánchez, momentos após o divórcio entre o executivo sua ex-esposa MacKenzie Bezos. Bezos acusou a American Media Inc. (AMI), dona do tabloide, de chantagem e extorsão. O vazamento ao tabloide pode ter sido obra da Arábia Saudita, segundo o relatório.

Publicidade