Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

ONU denuncia abusos sexuais cometidos por forças líbias

Kadafi comprou uma grande quantidade de viagra para distribuir entre soldados

Por Da Redação 10 jun 2011, 10h56

Os estupros fazem parte dos abusos cometidos pelas forças do ditador Muamar Kadafi, denunciou nesta sexta-feira a representante especial do secretário-geral da ONU para questões de violência sexual, Margot Wallström. O procurador-geral do Tribunal Penal Internacional (TPI), Luis Moreno Ocampo, também denunciou nesta semana que o regime de Kadafi comprou grandes quantidades de viagra e produtos derivados para distribuir entre os soldados e incitar os abusos sexuais.

Leia também:

Leia também: A mais destruidora das armas de guerra é usada na Líbia, o estupro

A representante da ONU explicou que o principal obstáculo para compilar as informações é que poucas mulheres se apresentam para denunciar que foram vítimas de abuso sexual, porque isso representa um risco muito grande para elas – na Líbia, as mulheres podem ser castigadas fisicamente se fizerem uma denúncia desse tipo.

Controvérsia – Margot se mostrou em desacordo com a posição expressa na quinta-feira em Genebra pelo presidente da comissão investigadora da ONU sobre a Líbia, que afirmou que sua equipe não encontrou provas contundentes de que a violência sexual esteja sendo cometida de forma sistemática e generalizada como uma arma de guerra.

Continua após a publicidade

“Temos que tratar disso como um crime sério”, disse Margot, lembrando que os estupros se transformaram em uma tática de guerra barata e altamente destrutiva, enquanto cria efeitos a longo prazo e afeta indivíduos, comunidades e nações inteiras.

Entrevista com Thomas Hayden: A íntima história do estupro e da guerra

Ataques – As forças leais a Kadafi atacaram nesta sexta-feira a cidade de Misrata, a única sob controle total dos rebeldes no oeste do país, matando pelo menos dez pessoas. Um jornalista da Reuters viu os corpos no hospital da cidade sitiada e escutou os estrondos do ataque. Pelo menos outras dez pessoas ficaram feridas.

Os insurgentes disseram que as forças de Kadafi atacaram ainda suas posições na região montanhosa também a oeste, na noite de quinta-feira. Ainda acusaram a Otan de não fazer o bastante para detê-las na cidade de Zintan, situada 160 quilômetros a sudoeste de Trípoli.

O porta-voz Juma Ibrahim afirmou que as cidades de Yafran e Nalut também foram atacadas e disse que as forças de Kadafi estão se concentrando perto da fronteira com a Tunísia para tentar retomar o controle da passagem de Wazin.

(Com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade