Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Onda de saques deixa um morto e 60 feridos em Córdoba

Bandidos aproveitam greve de policiais e atacam lojas de roupas, calçados, supermercados, colchões e até uma concessionária de motos

Por Da Redação 4 dez 2013, 13h13

Pelo menos uma pessoa morreu e mais de 60 ficaram feridas durante uma onda saques na segunda maior cidade da Argentina, Córdoba, onde os policiais estão em greve. Fontes das forças de segurança afirmaram aos jornais argentinos que a vítima fatal é um jovem de 20 anos que foi baleado no peito em circunstâncias ainda não esclarecidas. Outras doze pessoas foram feridas a bala, segundo o canal de notícias TN. Pelo menos 52 pessoas foram detidas.

Após os ataques na noite de terça-feira, escolas, edifícios públicos, tribunais e bancos permaneceram fechados nesta quarta-feira. Muitos estabelecimentos comerciais também decidiram não abrir as portas para evitar novos assaltos ou danos como os sofridos nas últimas 24 horas em diferentes bairros da cidade, cerca de 700 quilômetros a noroeste de Buenos Aires. Diversos tipos de comércio foram alvo dos bandidos: lojas de roupas, calçados, supermercados, colchões e até uma concessionária de motos.

Entrevista: Jorge Lanata, uma voz contra Cristina Kirchner

Os policiais de Córdoba cruzaram os braços em campanha por melhores salários, contrariando uma determinação do Superior Tribunal de Justiça do país. Em meio ao tumulto, representantes da categoria negociam um acordo com as autoridades.

Leia também

Argentina aumenta imposto sobre compras internacionais

Os tumultos motivaram uma troca de acusações entre o governador da província, o dissidente peronista José Manuel de la Sota, e o governo argentino. De la Sota interrompeu sua viagem ao Panamá e retornou de madrugada a Córdoba. Assim que aterrissou, disse que era “incompreensível” o governo de Cristina Kirchner não ter enviado reforços. “Neste telefone não há nenhuma chamada do governador José Manuel da la Sota”, respondeu à imprensa o chefe de gabinete argentino, Jorge Capitanich. “A segurança compete ao governo da província de Córdoba”, completou. Pouco depois, o secretário de segurança, Sergio Berni, anunciou o envio de dois mil policiais para a região.

Em dezembro de 2012, duas pessoas morreram e dezenas ficaram feridas durante uma onda de saques que começou na cidade de Bariloche e se estendeu a outras cinco cidades da Argentina.

(Com agência EFE e Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade