Clique e assine a partir de 9,90/mês

OMS será avaliada por sua gestão da pandemia da Covid-19

União Europeia apresenta resolução assinada por mais de 100 países para 'julgar' a agência; EUA ameaçam abandonar organização

Por Da Redação - Atualizado em 19 Maio 2020, 16h30 - Publicado em 19 Maio 2020, 16h09

A Organização Mundial de Saúde (OMS) consentiu nesta terça-feira, 19, em ser avaliada por sua atuação na resposta à pandemia do novo coronavírus. A resolução foi apresentada pela União Europeia durante a 73ª assembleia anual da agência de saúde e exige um parecer independente da resposta internacional, incluindo o desempenho da OMS.

O documento pede uma avaliação das recomendações da agência sobre a prevenção, os preparativos necessários e a capacidade de resposta diante da pandemia. A espécie de julgamento do órgão global de saúde foi requerida pela União Europeia em nome de mais de 100 países, incluindo Brasil, Austrália, Índia, Japão, e China, entre outros atores da comunidade internacional.

O texto pede por uma investigação “imparcial, independente e completa”.

“Queremos mais do que ninguém que haja uma prestação de contas”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. “Continuaremos fornecendo liderança estratégica para coordenar a resposta global.”

ASSINE VEJA

Covid-19: Amarga realidade As cenas de terror nos hospitais públicos brasileiros e as saídas possíveis para mitigar a crise. Leia nesta edição.
Clique e Assine

No encerramento da assembleia, que pela primeira vez aconteceu de forma virtual, Tedros confirmou que esse procedimento começará assim que possível, mas afirmou que a prioridade atual é a luta contra a Covid-19, doença respiratória causada pelo coronavírus.

“Damos boas-vindas a qualquer iniciativa que fortaleça a seguridade sanitária global e fortaleça a OMS, que sempre está firmemente comprometida com a transparência, a adoção de responsabilidades e a melhora contínua”, disse o atual líder da agência. No perfil da organização no Twitter, ele pediu por união, esperança e fé na ciência.

Tedros não fez referência a uma carta do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, publicada no Twitter na madrugada de terça-feira, em que o americano ameaça reconsiderar sua participação no organismo internacional, bem como interromper permanentemente o financiamento da OMS se ela não se comprometer com melhorias em 30 dias.

Trump suspendeu o financiamento dos Estados Unidos à OMS em abril, acusando-a de promover “desinformação” acerca do surto de coronavírus na China, embora as autoridades da OMS tenham negado a acusação e Pequim tenha dito que foi transparente e aberta. Washington agora ameaça abandonar a organização.

O governo dos Estados Unidos é um dos críticos mais firme da OMS, apontando para supostos erros na gestão da pandemia – além de discordar sobre a origem do novo coronavírus, que o presidente Trump defende ter ocorrido em laboratório de Wuhan, na China, onde o surto começou.

(Com EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade