Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

OEA e EUA não reconhecem resultados de eleição na Venezuela

Governo venezuelano acusa entidades internacionais de "ignorar" a vontade do povo

Por Da redação Atualizado em 17 out 2017, 17h31 - Publicado em 17 out 2017, 16h40

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, declarou na segunda-feira que “não se podem reconhecer” os resultados da eleição de governadores realizada no domingo na Venezuela. Por sua vez, os Estados Unidos afirmaram que a votação não foi livre nem justa.

Segundo Almagro, a votação exibiu irregularidades que “repetem variáveis de ilegalidade, incerteza e fraude que temos denunciado”. “Nenhuma eleição na Venezuela dará garantias aos eleitores sem que se realize sob observação internacional qualificada, especialmente por parte desta Organização”, completou o diplomata uruguaio, dizendo ainda que seu gabinete deve implantar novas sanções contra o regime de Nicolás Maduro.

Washington também condenou a organização das eleições regionais e reiterou seu apoio ao “povo venezuelano em sua busca por restaurar a democracia”. “A voz do povo venezuelano não foi ouvida”, afirmou o Departamento de Estado em um comunicado.

A embaixadora dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas (ONU), Nikki Haley, acusou Maduro de tentar silenciar as vozes das pessoas por meio da “intimidação, manipulação e obstrução dos eleitores”. Haley também pediu uma auditoria do processo eleitoral.

Após a votação de domingo, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE), acusado de atuar em favor do governo, anunciou que o chavismo venceu em dezessete dos 23 estados que escolheram seus governadores, enquanto a oposição ganhou em apenas cinco – os votos em um estado ainda não foram contabilizados. Os resultados também não foram reconhecidos pela opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD).

A União Europeia (UE) também se pronunciou e pediu nesta terça-feira ao poder eleitoral da Venezuela que demonstre a “transparência” dos resultados das eleições regionais. “A UE considera que a Comissão Nacional Eleitoral deve tomar medidas para demonstrar a transparência do processo e publicar todos os dados relacionados e a tabulação”, afirmou a porta-voz da Comissão Europeia, Catherine Ray.

Em resposta às declarações internacionais, o governo da Venezuela afirmou que Estados Unidos e União Europeia tentam “ignorar” a vontade do povo venezuelano ao condenar a realização das eleições. De acordo com um comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores, Washington busca apenas “estimular e respaldar os apelos ao caos, à instabilidade, à violência e ao extremismo promovidos por um setor minoritário da sociedade venezuelana”.

(Com Estadão Conteúdo e AFP)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês