Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Obama vai à Etiópia discutir combate ao terrorismo

O país é uma das principais economias emergentes da África, mas tem um longo histórico de abuso de direitos humanos. O mesmo partido governa a Etiópia há 25 anos

Por Da Redação 27 jul 2015, 10h00

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, encontrou o primeiro-ministro da Etiópia nesta segunda-feira na primeira visita de um presidente americano ao país, que tem uma das principais economias emergentes da África, mas que é criticado por seu histórico abuso dos direitos humanos. As conversas com o presidente etíope Mulatu Teshome e com o premiê Hailemariam Desalegn devem ter como foco a segurança e a ameaça do grupo militante islâmico Al Shabaab na Somália. Obama, que chegou no domingo do Quênia, também quer impulsionar os laços comerciais com a África.

O partido governante na Etiópia, no poder por um quarto de século, transformou o cenário da economia atingida pela fome, mas, segundo opositores, às custas de liberdades políticas. A oposição não conseguiu conquistar nenhuma cadeira nas eleições Parlamentares de maio e acusa o governo de ter fraudado os resultados.

Leia também

Com ação na Somália, sobe para 45 número de vítimas do terror na África em dois dias

Obama pede igualdade de direitos para homossexuais na África

Continua após a publicidade

Conheça Kogelo, o povoado da família Obama no Quênia

No Quênia, terra natal de seu pai, Obama pediu aos quenianos para aumentarem a democracia, atacarem a corrupção e terminarem as políticas de exclusão baseadas em gêneros ou etnias. Ele também prometeu maior assistência de segurança para o país. “Estamos bastante comprometidos na parceria com os países africanos para aumentar suas capacidades de enfrentar ameaças imediatas impostas por organizações terroristas”, informou a Casa Branca em nota nesta segunda-feira.

Obama se encontrará com líderes regionais para discutir sobre o conflito no Sudão do Sul nesta segunda-feira. Facções rivais ignoraram a pressão para terminar a luta e a conversa pode considerar possíveis sanções caso um prazo em meados de agosto não seja alcançado.

(Da redação)

Continua após a publicidade
Publicidade