Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Obama trata com Rompuy e Calderón a situação na Europa e a cúpula do G20

Washington, 13 jun (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, falou nesta quarta-feira por telefone com o presidente do Conselho Europeu, Herman van Rompuy, e com seu colega mexicano, Felipe Calderón, sobre a situação na eurozona e os preparativos da Cúpula do G20 que começará na segunda-feira em Los Cabos (México).

As conversas separadamente com ambos fazem parte das ‘estreitas consultas do presidente com vários líderes sobre a economia global’, explicou em sua entrevista coletiva diária o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney.

Rompuy e Obama estiveram de acordo ‘na importância de medidas para fortalecer a capacidade de recuperação da zona do euro e o crescimento na Europa e no mundo’, indicou Carney.

Com Calderón, anfitrião da cúpula do G20 que acontecerá nos dias 18 e 19 de junho em Los Cabos, Obama dialogou sobre os preparativos e a agenda do evento, segundo o porta-voz da Casa Branca.

O líder americano concordou em trabalhar estreitamente tanto com Rompuy como com Calderón para que a cúpula seja ‘bem-sucedida’, acrescentou Carney.

Obama acredita que a economia americana segue débil em parte pela crise na eurozona e por isso no encontro do G20, naquela que será provavelmente sua última viagem internacional até depois das eleições de novembro nos EUA, pressionará os líderes europeus a tomar mais medidas para estabilizar o sistema financeiro.

Nos últimos dias Obama falou por telefone com a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente francês, François Hollande, e os primeiros-ministros do Reino Unido, David Cameron, e Itália, Mario Monti.

‘Todos estão de acordo em focar-se no crescimento e na criação de emprego em curto prazo’, assegurou hoje Carney ao afirmar que essa é a forma de ‘ajudar a controlar o déficit’.

Quanto às eleições do próximo domingo na Grécia, Carney lembrou que Obama aconselhou na sexta-feira passada os gregos a permanecerem no euro, porque a situação ‘irá piorar’ se decidirem sair. EFE