Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Obama termina visita à Arábia Saudita acenando aos direitos humanos

Presidente americano homenageou uma militante que defende os direitos das mulheres de dirigir

Pouco antes de encerrar a visita de menos de 24 horas à Arábia Saudita, o presidente norte-americano, Barack Obama, fez um sinal aos defensores dos direitos humanos ao homenagear uma militante saudita. Realizado neste sábado, dia em que várias mulheres sauditas protestaram contra a proibição de dirigir, o gesto foi considerado insuficiente por ativistas.

Antes de deixar a Arábia, o presidente recebeu Maha Al-Muneef, que recentemente foi agraciada com o prêmio do departamento de estado norte-americano que homenageia “mulheres corajosas”. Médica, Al-Muneef dirige o programa nacional pela segurança da família, criado por ela em 2005 para combater a violência doméstica e os maus-tratos às crianças. Ela não pôde ir à Washington no início de março para receber o prêmio. “Estamos muito orgulhosos de você e muito gratos por todo o trabalho que você fez aqui”, disse Obama à homenageada.

Organizações de defesa dos direitos humanos, como a Anistia Internacional, haviam encorajado Obama a pressionar Riad para colocar um fim à “repressão da liberdade de expressão, à discriminação contra as mulheres e as minorias, e a todas as formas de tortura”, no país ultraconservador. “Temos muitas preocupações sobre a situação dos direitos das mulheres, a liberdade religiosa e de expressão. Algumas leis recentes cerceiam o direito das pessoas a se expressar livremente”, ressaltou um alto funcionário norte-americano, que pediu anonimato.

Leia ainda:

Obama visita Arábia Saudita com Irã e Síria na agenda política

Arábia Saudita: cabeleireiro é preso por cortar cabelo de mulheres

Ativista saudita denuncia ameaças de morte por dirigir carro

Durante a visita, a segunda em cinco anos, Obama reuniu-se com o rei Abdullah para tratar de assuntos que provocaram rusgas entre Washington e Riad recentemente: a guerra na Síria e o programa nuclear iraniano. De acordo com a fonte do governo norte-americano, o tema dos direitos humanos não foi abordado durante o encontro entre os dois dirigentes. Segundo ele, a reunião ficou centrada na temática regional.

“Nós tivemos divergências em nossas relações (com Riad) e entre elas está a questão dos direitos humanos”, revelou. Mas, dado o tempo consagrado às questões síria e iraniana, tanto Obama quanto o rei Abdullah “não puderam abordar certos assuntos”.

Protestos – Militantes sauditas convocaram um protesto para este sábado contra a proibição de dirigir. A ideia era que as sauditas assumissem os volantes de seus carros, mas a adesão foi baixa. “Dirigi meu carro durante algum tempo na rua Olaya, em Riad”, disse Aziza Yousef, acrescentando que outras sauditas dirigiram em outras regiões do reino. Há mais de três décadas as mulheres da Arábia Saudita reivindicam o direito de dirigir.

Nassima al-Sada, militante saudita pelos direitos humanos, disse ter ficado “decepcionada que o presidente Obama não tenha falado sobre a situação das mulheres durante a visita”. Para ela, o encontro com Muneef não “passou a verdadeira mensagem” sobre a reivindicação das sauditas.

“Obama priorizou os interesses econômicos e políticos aos assuntos que dizem respeito aos direitos humanos”, lamentou Sevag Kechichian, da Anistia Internacional. Na noite de sexta-feira, Obama acalmou os sauditas sobre a Síria e o Irã, afirmando que “nossos interesses estratégicos continuam alinhados”.

Leia também:

Arábia Saudita ameaça indiciar ativistas que apoiam direito de mulheres dirigirem

Em protesto, mulheres sauditas assumem volante e desafiam proibição

O presidente também disse que os Estados Unidos não aceitariam “um acordo ruim” sobre o programa nuclear iraniano, um assunto de grande interesse na Arábia Saudita. Obama deve chegar na noite deste sábado a Washington após um tour de seis dias pela Holanda, Bélgica, Itália e Arábia Saudita.

(com agência France-Presse)