Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Obama se dedica à última tarefa: garantir a vitória de Hillary

O presidente fará uma maratona de eventos de campanha em apoio a Hillary Clinton e quer garantir o voto de negros e jovens

Por Da redação 2 nov 2016, 13h09

A menos de uma semana das eleições presidenciais nos Estados Unidos, Barack Obama está pronto para usar seu carisma para garantir a continuação do legado democrata na Casa Branca. Na quarta-feira, o presidente discursou em um comício da candidata Hillary Clinton em Ohio, um dos Estados em que aparece empatada nas pesquisas com o republicano Donald Trump. A maratona de Obama continua no resto da semana, com visitas à Carolina do Norte e à Flórida.

Em seus meses finais na Casa Branca, Obama atingiu o mais alto índice de aprovação de seu segundo mandato, de acordo com a rede CNN, com o apoio de 55% dos americanos. Agora, sua tarefa é convencer eleitores que ainda não têm certeza se sairão de casa para apoiar Hillary, já que o voto não é obrigatório.

No evento em Ohio, o presidente aproveitou para falar com os homens, parcela da população que tende a votar em Trump. “Quando um homem é ambicioso no meio público e trabalha duro, bom, isto é ok. Quando é uma mulher, de repente nos perguntamos por que ela está fazendo isso”, afirmou Obama. “Quero que pensem sobre isso. Ela é muito mais qualificada que o outro cara”.

Na estratégia democrata, Obama é considerado o garoto-propaganda perfeito para garantir o apoio necessário de eleitores negros e jovens. Responsáveis por suas duas eleições vitoriosas, esses grupos demográficos não se identificam tanto Hillary, mais “formal” e mesmo popular que seu antecessor.

“Há uma noção de que esse cara [Trump] vai lutar por pessoas trabalhadoras, quando em toda sua vida não teve tempo para quem não fosse rico ou uma celebridade, que não deixaria você entrar em um de seus hotéis a não ser que fosse para limpar o quarto”, atacou o presidente. “Ele vai ser seu campeão? Por favor!”.

Em seu discurso, Obama evitou tocar na polêmica envolvendo o uso de um servidor privado de e-mails por Clinton quando era secretária de Estado. A reabertura de investigações pelo FBI, na semana passada, enfraqueceu a democrata e resultou em uma leve queda nas pesquisas. “Ela comete erros? Sim, eu também”, disse Obama. “Mas ela é uma pessoa fundamentalmente boa e decente, que sabe o que está fazendo e vai ser uma grande presidente”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês