Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Obama: ‘Se Congresso barrar acordo com Irã, teremos outra guerra no Oriente Médio’

O presidente americano disse também que ainda está esperando que os críticos do acordo apresentem uma "alternativa melhor" ao pacto assinado em 14 de julho em Viena

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, voltou a dizer nesta quarta-feira que a única alternativa ao acordo nuclear com o Irã é a guerra. Segundo ele, uma recusa do Congresso americano em ratificar o tratado pode causar um novo conflito no Oriente Médio. “Não há meios termos: a escolha é entre a diplomacia e a guerra. Aqueles que dizem que podemos esquecer o acordo e continuar com as sanções veem apenas uma fantasia”, declarou chefe de Estado.

Em discurso na American University de Washington, Obama defendeu a importância do acordo nuclear com o Irã, assinado mês passado, e que deve ser aprovado pelo Congresso dos EUA, dominado pela oposição republicana, que deve votá-lo em setembro. “Se aprendemos algo na última década é que as guerras em geral, e as guerras no Oriente Médio em particular, são tudo menos simples”, afirmou.

Leia também

Coreia do Norte descarta seguir exemplo do Irã e manterá seu programa nuclear

ONU aprova acordo nuclear iraniano e abre caminho para fim das sanções

Mesmo após acordo, Irã mantém suas ambições nucleares

Para Obama, qualquer vantagem que Teerã possa tirar do fim dos bloqueios perde força frente ao perigo que representaria se a nação persa conseguisse ter armas atômicas. “O acordo nuclear não resolve todos os nossos problemas com o Irã, mas atinge o nosso principal objetivo de segurança”, acrescentou o presidente. O presidente disse também que ainda está esperando que os críticos do acordo apresentem uma “alternativa melhor” ao pacto assinado em 14 de julho em Viena entre Irã e o Grupo 5+1 (Estados Unidos, Rússia, China, Grã-Bretanha, França mais a Alemanha).

Por outro lado, o líder ressaltou que as sanções serão “rapidamen​te restabelecidas” se o tratado for violado. Firmado em Viena, na Áustria, o pacto nuclear prevê a eliminação progressiva dos bloqueios impostos à economia iraniana nos últimos anos. Em troca, Teerã limitará suas atividades atômicas e permitirá a realização de controles periódicos da Organização das Nações Unidas (ONU) em suas instalações. Além disso, o governo vai interromper o enriquecimento de urânio nas usinas de Natanz e Fordow.

Para entrar em vigor, o acordo deve ser aprovado nos EUA pelo Congresso, assim como nos demais países signatários. Os legisladores só poderiam anular a participação dos EUA no acordo se dois terços votarem nas duas Câmaras do Congresso nesse sentido, o que invalidaria o veto que Obama prometeu a qualquer legislação contra o acordo.

(Da redação)