Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Obama reconhece que o Irã pode desenvolver uma arma nuclear futuramente

Em entrevista a uma rádio, o presidente disse que o Irã pode ser capaz de fabricar uma bomba atômica após expirar o prazo de congelamento de suas atividades nucleares

Por Da Redação 7 abr 2015, 10h55

Defendendo o acordo nuclear, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, reconheceu nesta terça-feira a capacidade do Irã de desenvolver uma arma nucelar, após expirar o tempo de 10 anos de congelamento de suas atividades nucleares. O acordo realizado entre o Irã e as seis potências mundiais, na semana passada, prevê que Teerã poderia realizar um aumento gradual e claramente definido de sua capacidade de enriquecimento de urânio entre o 10º e o 13º ano.

Obama tem sido alvo de críticas pelo o acordo não eliminar totalmente os riscos, pois permite que o país mantenha o enriquecimento de urânio. Em uma entrevista à rádio NPR News, Obama disse que o Irã será limitado por uma década em 300 kg, o que não é suficiente para converter o estoque em material para a construção de armas. “O mais relevante é que no 13º, 14º e 15º ano, o Irã teria a capacidade de enriquecer urânio rapidamente, pois possui centrífugas avançadas, e nesse ponto, o tempo de congelamento das atividades cairia para quase zero”, disse o presidente dos Estados Unidos.

Leia também

Obama diz que enfraquecimento de Israel seria um fracasso de seu governo

Iranianos celebram acordo nuclear histórico; Israel critica

Continua após a publicidade

Irã e potências mundiais concordam sobre parâmetros para acordo nuclear

Conheça os detalhes do pré-acordo sobre o programa nuclear do Irã

O chamado ‘cronograma de desagregação’, que é o tempo que o Irã levaria para adquirir material suficiente para uma arma nucelar, é atualmente avaliado de 2 a 3 meses a um ano, com duração de dez anos pelo menos. Embora Obama tenha reconhecido que o tempo de desagregação do Irã poderia diminuir, ele disse que o mundo teria uma melhor percepção, uma vez que o Irã deverá ter extensas inspeções nos anos anteriores.

Confiança – Obama disse na mesma entrevista que está confiante de que as sanções contra o Irã possam ser restabelecidas se o país violar um acordo para restringir seu programa nuclear. O presidente declarou que negociadores americanos e europeus estão tentando chegar a um acordo com o Irã pelo qual as sanções poderiam ser restabelecidas sem uma votação no Conselho de Segurança da ONU, onde a Rússia, aliada do Irã, tem poder de veto.

Depois de formatarem na semana passada a estrutura básica para um acordo, os negociadores têm até o final de junho para chegar a um compromisso final que impeça o Irã de ser capaz de construir uma arma nuclear. Obama disse que um acordo nuclear poderia ajudar a fortalecer os grupos moderados no Irã. “Se ficar claro que eles beneficiaram seu povo, presumivelmente isso fortalece sua posição em relação aos radicais dentro do Irã”, disse ele.

(Da redação)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês