Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Obama projeta saída americana do Afeganistão em 2014

Em entrevista, o presidente americano também falou sobre a onda de violência causada pela queima de exemplares do Corão em uma base militar no país

Por Da Redação 1 mar 2012, 03h55

“Os afegãos terão capacidade de dar segurança ao seu próprio país”, afirmou Obama em entrevista

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, projetou em uma entrevista nesta quarta-feira uma retirada das tropas americanas do Afeganistão até o final de 2014, apesar da onda de violência na região.

“Tenho confiança de que seguiremos por um caminho que no final de 2014 trará nossas tropas de volta (…) e que os afegãos terão a capacidade, do mesmo modo que os iraquianos, de dar segurança ao seu próprio país”, disse Obama à rede de televisão ABC News. As tropas americanas estão no Afeganistão desde a invasão do país em 2001.

No início de fevereiro, o secretário de Defesa dos EUA, Leon Panetta, fez uma previsão semelhante. Segundo o político, a partir de 2013 o exército americano deixa o “papel de combate” e continua no país árabe apenas para treinar as forças afegãs.

Atualmente os Estados Unidos mantêm 90.000 homens em território afegão, dos quais 22.000 devem voltar para casa até o meio deste ano. O número total de soldados aliados no Afeganistão, incluindo as tropas da Otan (aliança militar do Ocidente), gira em torno de 350.000.

Infográfico: quanto os Estados Unidos já gastaram em guerras

Queima do Corão – Obama, criticado pelos republicanos por pedir desculpas ao povo afegão após soldados americanos queimarem cópias do Corão na base de Bagram, defendeu sua decisão diante da necessidade de aplacar a violência.

“A razão foi a mesma que levou o comandante na região, general John Allen, a se desculpar: salvar vidas e garantir que nossas tropas que estão lá não corram mais riscos”, assegurou o presidente. O incidente com o Corão provocou uma onda de protestos e violência que já deixou cerca de 40 mortos.

(Com Agência France-Press)

Continua após a publicidade
Publicidade