Clique e assine a partir de 9,90/mês

Obama não visitará povoado de seu pai em viagem ao Quênia

A avó queniana do presidente americano ficará frustrada com a notícia, pois afirmou que queria cozinhar pratos tradicionais para seu neto durante a visita oficial ao país

Por Da Redação - 17 jul 2015, 11h36

O presidente Barack Obama, que visitará o Quênia em uma semana, não irá à aldeia de Kogelo, no oeste do país, onde se encontra enterrado seu pai, anunciou nesta sexta-feira o embaixador dos Estados Unidos em Nairóbi. Nesta esperada viagem ao Quênia, a primeira desde sua chegada à Casa Branca, o presidente americano ficará apenas na capital do país, informou o embaixador Robert Godec. Por razões de segurança, ainda se sabe muito pouco sobre a agenda presidencial. O único ponto certo é a participação do presidente em uma Cúpula Mundial Empresarial, que começa em 24 de julho, em Nairóbi. Depois, Obama viajará à capital etíope, Adis Abeba.

A avó queniana de Obama, conhecida como Mama Sarah, ficará frustrada com a notícia, pois afirmou que queria cozinhar pratos tradicionais para seu neto durante a visita oficial ao Quênia. Mama Sarah foi a terceira mulher de Hussein Onyango Obama, avó paterno do presidente americano, e vive no povoado de Kogelo. Barack Obama, filho de pai queniano e mãe americana, não tem vínculos de sangue com Mama Sarah, mas ele sempre a considerou sua avó. O pai de Obama nasceu e cresceu em Kogelo, antes de ir estudar no exterior, onde conheceu, no Havaí, a mãe do presidente.

Leia também

Queniano oferece 150 cabeças de gado para se casar com a filha de Obama

Continua após a publicidade

Futura visita de Obama ao Quênia provoca críticas no país

Deputado queniano alerta Obama e pede que não defenda ‘agenda gay’ no Quênia

A viagem de Obama ao Quênia foi adiada durante meses devido ao fato de que o presidente Uhuru Kenyatta era acusado de crimes contra a humanidade por seu papel durante as violências pós-eleitorais que afetaram o país no final de 2007 e início de 2008. Estas acusações do Tribunal Penal Internacional foram arquivadas em dezembro passado por falta de provas.

(Da redação)

Publicidade