Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Obama: ‘nada está descartado’ para conter jihadistas no Iraque

Presidente diz que situação deve servir de alerta para governo xiita

Por Da Redação 12 jun 2014, 15h58

O presidente Barack Obama afirmou nesta quinta-feira que seu governo está considerando “todas as opções”, incluindo uma ação militar, para ajudar o Iraque a enfrentar radicais islâmicos que estão tomando o controle de cidades do país. Questionado se os Estados Unidos estavam considerando enviar drones ou aviões militares para atacar os jihadistas, o democrata disse que “nada está descartado”. Acrescentou que o Iraque enfrenta “claramente uma situação de emergência” e, por isso, precisa de mais ajuda.

“Esta é uma área que estamos observando com muita preocupação. Minha equipe está trabalhando para verificar como podemos fornecer a ajuda mais efetiva para eles”, disse o presidente a jornalistas, na Casa Branca. “Eu não descarto nada porque temos de assegurar que esses jihadistas não estão conquistando uma posição permanente no Iraque, ou na Síria”, acrescentou Obama, dizendo ainda que “ações militares imediatas” devem ser colocadas em prática.

Leia também:

Jihadistas ameaçam tomar Bagdá; EUA oferecem ajuda ao Iraque

Mais de 500.000 iraquianos já fugiram de cidade dominada por terroristas

Obama afirmou ainda que a situação deve ser vista como um “alerta” para o governo iraquiano. “É preciso um componente político para isso, para que sunitas e xiitas que se preocupam em construir um Estado efetivo que possa trazer segurança e prosperidade para todas as pessoas possam se unir e trabalhar diligentemente contra esses extremistas. Isso vai exigir concessões tanto dos xiitas como dos sunitas que não foram vistas até agora”.

Depois da fala do mandatário, funcionários da Casa Branca afirmaram que as opções para o Iraque não incluem o envio de tropas. Há três anos, os EUA e outros países membros da coalizão internacional retiraram suas forças do Iraque. Desde então, o governo liderado por xiitas mostrou-se incapaz de conter a ameaça de radicais sunitas que pretendem implantar um Estado islâmico na área de fronteira entre o Iraque e a Síria. Depois de tomarem as cidades de Mosul e Tikrit, jihadistas do grupo Estado Islâmico do Iraque e do Levante, avisaram que vão atacar a capital Bagdá.

O governo americano não foi poupado de críticas pela situação no Iraque. O presidente da Câmara dos Deputados, John Boehner, disse que Obama “cochilou” enquanto os extremistas ganhavam terreno. “Esses terroristas estão avançando, tomando o controle do oeste do Iraque, agora tomaram o controle de Mosul. Eles estão a 100 milhas (160 quilômetros) de Bagdá. E o que o presidente está fazendo? Tirando um cochilo”, disse o republicano em entrevista coletiva.

O senador John McCain disse que Obama deveria demitir toda a equipe de segurança nacional e trazer de volta o general David Petraeus – que comandou as tropas americanas no Iraque – para “mudar toda a situação”. Apesar da crítica, o republicano não defende ataques aéreos militares. Os EUA já destinaram 15 bilhões de dólares em treinamento, armas e equipamentos ao governo iraquiano.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)