Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Obama levará plano de armar rebeldes sírios adiante

O Comitê de Inteligência do Congresso aprovou a decisão do presidente americano de enviar armamentos aos grupos contrários a Bashar Assad

Por Da Redação
23 jul 2013, 14h58

O presidente Barack Obama manterá os planos de enviar armamentos aos grupos de rebeldes sírios que lutam contra o regime do ditador Bashar Assad, segundo uma fonte oficial citada pela CNN. A decisão de Obama foi respaldada na segunda-feira pelo Comitê de Inteligência do Congresso, que aprovou a proposta elaborada pela CIA. O jornal Washington Post informou que o aval do Comitê autoriza o serviço de inteligência a destinar o dinheiro reservado para outros programas aos custos referentes à operação na guerra civil da Síria. O projeto também inclui treinamento aos rebeldes e assistência logística e de inteligência em bases na Jordânia. Armas e munições começarão a ser entregues nas próximas semanas.

A aprovação aos planos da administração Obama foi divulgada através de um comunicado do chefe do Comitê de Inteligência, o republicano Mike Rogers. O político afirmou que o “Comitê tem inúmeras preocupações sobre a força dos planos na Síria e suas chances de sucesso”. No entanto, Rogers declarou que “após muitas discussões e revisões, criou-se o consenso de que podemos seguir adiante com os planos da administração, e que as intenções na Síria consistem com as reservas do Comitê”.

Leia também:

Grã-Bretanha protegerá rebeldes sírios de armas químicas

A Câmara dos Deputados e o Senado haviam votado o projeto na última semana. Membros da administração Obama, incluindo o vice-presidente, Joe Biden, o diretor da CIA, John O. Brennan, e o secretário de Estado, John Kerry, tentaram solucionar as dúvidas criadas em torno da proposta por meio de ligações e comunicados. Os principais questionamentos estavam relacionados aos gastos com a operação e o risco de armamentos caírem nas mãos de radicais islâmicos que também lutam contra Assad. O governo, contudo, assegurou que a interferência dos Estados Unidos será fundamental para coordenar o envio de armas mais sofisticadas de outros países e exercer maior controle sobre os grupos rebeldes excluídos da operação.

CIA – Envolvidos na votação do projeto também argumentaram sobre a possibilidade de a operação monopolizar as atenções e recursos da CIA em um momento de questionamentos em torno dos métodos da agência. Além do vazamento de programas de espionagem pelo ex-técnico Edward Snowden, as autoridades americanas também são contestadas por não terem prestado atenção aos indícios de que os irmãos Tsarnaev estavam planejando o atentado em Boston. Mas, segundo o Washington Post, Obama escolheu a CIA para liderar esta operação com o intuito de evitar as restrições de leis internacionais contra os esforços militares de derrubar outro governo e a necessidade de uma maior aprovação do Congresso.

Continua após a publicidade

Leia mais:

Seis mil sírios fogem da guerra todos os dias, diz ONU

Custos – Os oficiais não revelaram o orçamento destinado ao programa na Síria, mas indicaram que os custos são menores do que uma operação militar. Em uma carta endereçada ao Comitê dos Serviços Armados do Senado, o general Martin Dempsey, chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, deu uma estimativa de 500 milhões de dólares por ano para tropas do Exército americano treinarem rebeldes fora da Síria. Dempsey também deixou claro que o governo deveria desembolsar pelo menos 1 bilhão de dólares por mês para estabelecer zonas de exclusão aérea ou combater a ameaça de armas químicas no país.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.