Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Obama felicita Líbia por histórica libertação e quer transição

Hillary Clinton classificou o feito como produto do trabalho dos líbios 'valentes'

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, felicitou neste domingo o povo líbio pela “histórica declaração de libertação” e pediu para o Conselho Nacional de Transição (CNT) se concentrar no processo de “transição política”. A secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, também classificou o feito como produto do “trabalho dos líbios comuns e valentes” que conseguiram “rebelar-se” ante mais de 40 anos de opressão.

“Após quatro décadas de ditadura brutal e oito meses de sangrento conflito, o povo líbio pode agora celebrar sua liberdade e o princípio de uma nova era”, afirmou Obama em comunicado de imprensa. O CNT proclamou neste domingo oficialmente a “libertação total da Líbia” em uma grande cerimônia na Praça Tahrir, em Bengasi.

“As autoridades líbias deverão cumprir seus compromissos de respeito aos direitos humanos, começar um processo de reconciliação nacional e reunir os grupos armados sob uma liderança civil unificada”, acrescentou o presidente americano. “Os EUA continuarão oferecendo uma estreita colaboração com nossos parceiros internacionais e a missão das Nações Unidas na Líbia para o avanço rumo a uma transição democrática e estável”, disse Obama.

“O povo líbio soube exigir valentemente o respeito de sua liberdade e de sua dignidade”, disse Hillary. “Este é um momento histórico, mas há muito por fazer. O processo de formar um novo governo representativo que responda ante seu povo deve refletir o mesmo espírito da revolução. O Conselho Nacional de Transição deverá trabalhar para anunciar este governo o quanto antes”, disse a chefe de política exterior dos Estados Unidos.

“As autoridades de transição podem contribuir com este processo promovendo a reconciliação e respeitando os direitos humanos na sociedade líbia, ajudando a prevenir represálias e assegurando a justiça”, disse. “Este é o processo que o povo líbio espera e merece”, completou.

Democracia – Hillary afirmou, porém, que o caminho à democracia é um processo de longo prazo que requer a participação de todos os líbios. Ao mesmo tempo, dezenas de pessoas corriam pelas ruas de Trípoli para celebrar as declarações feitas pelos dirigentes do país sobre os novos rumos a serem tomados pela Líbia, três dias depois da captura e morte de Kadafi em sua cidade natal, Sirte.

A tão esperada declaração de “libertação” da Líbia ocorre em meio em meio a um momento de forte polêmica em relação às circunstâncias da morte de Kadafi. Ainda não está claro se ele foi executado por aqueles que o capturaram ou se morreu em meio a um fogo cruzado entre seus guardas e os revolucionários.

Segundo o Mapa de Caminho desenvolvido pelo próprio CNT, o processo de transição deverá terminar com a realização de eleições no prazo de oito meses. Apesar de controlar a totalidade do país desde o final de agosto, o CNT insistiu em numerosas ocasiões que não anunciaria a libertação total do país e o fim da guerra até capturar o ditador.

(Com agências EFE e France-Presse)