Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Obama e Romney aceleram campanha a 2 dias de eleição

Tempestade Sandy colocou disputa em 2º plano diante de estragos no nordeste

Por Da Redação 4 nov 2012, 14h29

O presidente Barack Obama e o republicano, Mitt Romney, estão neste domingo em ritmo acelerado pelos Estados Unidos no penúltimo dia de campanha pela Casa Branca em meio aos esforços de reconstrução em Nova York e Nova Jersey após a tempestade Sandy. Segundo as últimas pesquisas de opinião, a disputa está praticamente empatada entre os dois candidatos, sendo, portanto, uma das mais acirradas da história americana.

A apenas 48 horas da eleição, uma nova pesquisa da ABC News/Washington Post mostra um empate: os dois aparecem com 48% das intenções de voto, enquanto entre os eleitores independentes, que podem definir o resultado, ambos estão com 46%. O site RealClearPolitics, que estabelece a média das pesquisas, também mostra os candidatos emparelhados, mas com uma leve vantagem para Obama em vários estados considerados cruciais.

Obama e Romney, com evidentes mostras de cansaço, pulam de um estado estratégico a outro, em um último esforço para gerar entusiasmo entre os eleitores para que não deixem de votar na terça-feira. “Vocês têm uma decisão a tomar”, disse Obama, 51 anos, na noite de sábado em um comício em Virgínia (leste), ao pedir às pessoas que compareçam às urnas e convençam os indecisos a fazer o mesmo.

Obama tem pela frente neste domingo um cansativo percurso de 8.000 quilômetros, que o levará a cinco estados considerados estratégicos. A primeira parada será New Hampshire (nordeste), um estado tradicionalmente democrata mas que Romney pode vencer nesta eleição, dentro da disputa matemática para obter na terça-feira pelo menos 270 votos dos 538 no colégio eleitoral, em um país com eleição presidencial indireta. Em seguida, passará por Flórida, Ohio, Colorado e Wisconsin.

Leia também:

Michelle Obama vs. Ann Romney: a disputa pelo posto de primeira-dama

Continua após a publicidade

Obama e Romney tiram proveito de dados sobre emprego

Senhor Burns apoia Romney em vídeo de ‘Os Simpsons’

Romney não fica para trás e, antes de seguir para Ohio, encontrará simpatizantes na Pensilvânia (leste), um estado que corteja dentro da estratégia de ampliar suas opções para tentar alcançar os 270 votos no colégio eleitoral e virar o presidente número 45 dos Estados Unidos. “Nós estamos prontos. A porta de um futuro melhor está aberta”, afirmou Romney na noite de sábado no Colorado, ao expressar confiança de que ‘deixaremos para trás os quatro últimos anos’.

“Não representarei um partido, representarei uma nação”, afirmou mais de uma vez o republicano, 65 anos, nos últimos dias, com uma mensagem para tentar atrair o máximo de indecisos moderados.

Obama fará os últimos discursos de campanha na segunda-feira em Wisconsin, Ohio e Iowa (centro), antes de viajar para Chicago (Illinois, norte), onde permanecerá no dia da votação. Já Romney aguardará os resultados em Boston (Massachusetts, nordeste), depois do último dia de campanha que o levará aos estados da Flórida, Virginia, Ohio e New Hampshire.

Sandy – Enquanto isso, Nova Jersey está permitindo que os eleitores deslocados pelo furacão Sandy possam votar por e-mail, enquanto alguns eleitores de Nova York poderão votar em tendas em uma corrida de 11 horas para garantir a votação nas eleições presidenciais na terça-feira.

Com a eletricidade ainda em falta para mais de um milhão de casas e empresas, e dezenas de zonas eleitorais inúteis por terem sido atingidas por uma onda recorde de água do mar em Nova York e Nova Jersey, as autoridades enfrentam desafios sem precedentes para o dia da eleição.

O caos pós-tempestade na região tem ofuscado os últimos dias de campanha eleitoral, deixando a votação em segundo plano para muitos. “Eu não estou pensando muito sobre a eleição agora”, disse Frank Carroll, de 59 anos, um aposentado de Nova York que vive no bairro fortemente atingido de Staten Island. Ele planejou votar, mas não sabia se sua seção eleitoral iria mesmo ser aberta. “Nós vamos lá e ver o que acontece”, disse Carrol.

(Com agências France-Presse e Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade