Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Obama diz que EUA investigarão massacre até as últimas consequências

Por Da Redação 13 mar 2012, 14h06

Washington, 13 mar (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou nesta terça-feira que seu Governo vai investigar ‘até as últimas consequências’ o massacre de 16 civis afegãos no domingo, supostamente assassinados por um soldado americano em Kandahar (Afeganistão).

‘Os Estados Unidos levarão esse assunto como se (os mortos) fossem seus próprios cidadãos ou seus filhos’, declarou o presidente americano, quem insistiu que o massacre dos civis afegãos é um fato ‘vergonhoso e inaceitável’.

‘Estamos com o coração partido pela perda de vidas inocentes. Isto não é o que somos como país e não representa nossas Forças Armadas’, disse em breve comparecimento no jardim da Casa Branca.

O presidente americano garantiu que o Pentágono ‘não poupará esforços para conduzir uma investigação completa’ sobre o incidente e ressaltou que este examinará os fatos ‘até o final’.

Segundo a imprensa americana, o suposto autor dos fatos é um sargento de 38 anos que chegou ao Afeganistão pela primeira vez em dezembro, embora tenha experiência anterior no Iraque.

Continua após a publicidade

Como informou à ‘CNN’ um funcionário do Departamento de Defesa, o sargento era um franco-atirador de infantaria treinado para matar a 800 metros de distância.

Durante sua estadia no Iraque em 2010 ele sofreu um acidente de automóvel que o deixou com uma lesão cerebral traumática. No entanto, após receber tratamento foi autorizado a voltar ao serviço militar e enviado ao Afeganistão.

Após o massacre se multiplicaram no Afeganistão os pedidos para que o suposto culpado seja julgado no país.

Os extremistas advertiram na segunda-feira que vingariam o assassinato dos 16 civis.

Obama reiterou que, apesar do incidente, que ocorre semanas após soldados americanos queimarem exemplares do Corão, o que provocou uma onda de protestos, os Estados Unidos não pensam em mudar sua estratégia respeito ao Afeganistão e manterá o calendário de retirada.

‘Temos uma estratégia que nos permitirá acabar com esta guerra. Estamos constantemente trabalhando na transição das funções aos afegãos. Isso vai nos permitir trazer nossas tropas de volta para casa’, acrescentou o presidente. EFE

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)