Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Obama confirma morte de americano no voo MH17

Em pronunciamento, presidente americano identificou vítima e lamentou morte de inocentes que estavam no avião da Malaysia Airlines

Um cidadão americano está entre as vítimas da queda do avião da Malaysia Airlines que foi abatido por um míssil na quinta-feira, no leste da Ucrânia. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, confirmou a morte e identificou o passageiro como Quinn Lucas Shanzmen. No total, 298 pessoas estavam a bordo, entre passageiros e tripulantes. “Vidas de inocentes foram tiradas. Homens, mulheres, crianças que não tinham nada a ver com a crise na Ucrânia. Suas mortes são um ultraje de proporções indescritíveis”, lamentou Obama, que falou com jornalistas na Casa Branca sobre a tragédia.

Leia mais:

Obama: ‘míssil foi lançado de área controlada por separatistas’

Maioria dos passageiros era de origem holandesa

Telefonemas provam envolvimento russo, diz Ucrânia

O sistema de mísseis por trás da derrubada do voo MH-17

Nacionalidade das vítimas

HOLANDA: 189

MALÁSIA: 44

AUSTRÁLIA: 27

INDONÉSIA: 12

GRÃ-BRETANHA: 10

BÉLGICA: 4

ALEMANHA: 4

FILIPINAS: 3

CANADÁ: 1

NOVA ZELÂNDIA: 1

NÃO IDENTIFICADOS: 3

Apenas três pessoas que estavam no voo MH-17 ainda não tiveram a nacionalidade confirmada. Embora Obama tenha identificado a vítima dos Estados Unidos, nenhum cidadão americano consta da última relação divulgada pela Malásia. A maioria dos que estavam a bordo era de origem holandesa. Ao todo, 189 cidadãos holandeses morreram. Em seguida vem a Malásia, com 44 mortos; Austrália, com 27; Indonésia, com 12; Grã-Bretanha, com dez. Também morreram quatro alemães e quatro belgas. A lista inclui ainda três filipinos, um canadense e um neozelandês.

Leia também:

Pesquisadores sobre aids estão entre as vítimas do MH-17

Australiana perde parentes nos dois desastres da Malaysia Airlines

Passageiro fez brincadeira com avião desaparecido

A aeronave viajava de Amsterdã, na Holanda, para Kuala Lumpur, na Malásia. Estima-se que cerca de cem das 298 pessoas a bordo do avião eram ativistas e importantes pesquisadores que estudam o vírus da aids. Os especialistas participariam de uma conferência mundial sobre o tema em Melbourne, na Austrália.

Local da queda do avião na Ucrânia