Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Obama condena ataques no Canadá e oferece ajuda

Presidente americano conversou por telefone com primeiro-ministro canadense

Por Da Redação 22 out 2014, 17h19

O presidente Barack Obama conversou por telefone nesta quarta-feira com o primeiro-ministro canadense, Stephen Harper, e ofereceu a ajuda dos Estados Unidos. A conversa ocorreu depois que um soldado foi baleado no memorial de guerra, perto do Parlamento canadense, que foi alvo de um atirador.

Obama expressou solidariedade com o país vizinho e “condenou os ataques chocantes, e reafirmou a amizade próxima e a aliança entre os povos”, afirmou a Casa Branca, em comunicado.

“O presidente ofereceu qualquer assistência que o Canadá precise para responder a esses ataques”, acrescentou o texto, dizendo apenas que o premiê canadense agradeceu pelo contato. Não foram especificadas quais medidas poderiam ser tomadas em resposta ao atentado.

Leia também:

Ataque ao Parlamento provoca caos no Canadá

Vídeos capturam momento em que disparos são ouvidos no Parlamento

Em entrevista na Casa Branca, Obama classificou o ataque como um evento “trágico” e disse que ele reforça a necessidade por vigilância. Acrescentou que é importante para o Canadá e os Estados Unidos estarem em sintonia quando o assunto é atividade terrorista.

Continua após a publicidade

O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, disse que os EUA não estão em posição de dizer se os ataques foram resultado de um ato terrorista. Antes dos incidentes desta quarta, o Canadá havia elevado o alerta contra ameaça terrorista para o nível ‘médio’. Na segunda-feira, um jovem convertido ao islã atropelau deliberadamente dois militares, matando um deles.

Depois do atropelamento, o governo informou que deve apresentar nos próximos dias uma nova legislação antiterror. Nesta quarta, o premiê Harper afirmou que os ataques desta quarta na capital não podem deter o governo. “O primeiro-ministro condenou esse ataque desprezível e reiterou a importância de manter o funcionamento do governo e do Parlamento”, afirma um comunicado distribuído por seu gabinete.

Reinaldo Azevedo: Suspeito principal: Estado Islâmico

Harper tinha um encontro agendado para hoje com a ativista paquistanesa Malala Yousafzai, vencedora do Prêmio Nobel da Paz deste ano. Ele estava em seu escritório no Parlamento quando os tiros começaram, mas foi retirado do local em segurança, informaram as autoridades.

Assim como o presidente Obama, o secretário de Estado americano, John Kerry, também foi informado sobre os detalhes dos ataques no Canadá. A embaixada americana em Ottawa, localizada perto do Parlamento, foi fechada, e a embaixada canadense em Washington restringiu o acesso apenas a funcionários. Em Nova York, a segurança do consulado canadense foi reforçada.

O FBI alertou suas unidades a elevarem o nível de alerta até que fique claro que o incidente em Ottawa foi um caso isolado e não uma ação coordenada. O Norad, comando de defesa aérea conjunta dos Estados Unidos e Canadá informou que estava a postos para qualquer resposta necessária diante da situação.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade