Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Obama cobra agilidade em pesquisas de vacina para o zika

Os EUA estão intensificando os esforços para estudar a ligação entre infecções pelo zika e casos de má formação de bebês. Vírus pode atingir 60% da população do país

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu na terça-feira o rápido desenvolvimento de testes, vacinas e tratamentos para combater o vírus zika, que tem sido associado a casos de microcefalia em recém-nascidos e poderia se espalhar pelos Estados Unidos nos meses de calor. Obama foi informado sobre o vírus em reunião com o diretor do Centro para Controle de Doenças dos EUA, Thomas Frieden; o diretor do Instituto Nacional de Saúde (NIH, na sigla em inglês), Anthony Fauci; e a Secretária de Saúde e Serviços Sociais dos EUA, Sylvia Mathews Burwell.

“O presidente enfatizou a necessidade de acelerar os esforços de pesquisa para tornar disponível teste de diagnóstico melhores, para desenvolver vacinas e terapias e para assegurar que todos os americanos tenham informação sobre o vírus Zika”, disse a Casa Branca em um comunicado.

Leia também

Cias. aéreas dos EUA farão reembolso de voos para países com o zika vírus

Comitê Olímpico britânico inclui orientações sobre zika em treinamento de atletas

Surto de zika deve se espalhar por toda América, diz OMS

Os pesquisadores do NIH já deram início aos trabalhos iniciais, e a agência ainda pretende impulsionar o financiamento para cientistas brasileiros para acelerar as pesquisas relacionadas ao vírus e tentar desenvolver uma vacina. A NIH trabalha com dados de vacinas em vários estágios de desenvolvimento de outros vírus da mesma família – como o da dengue, Nilo Ocidental e chikungunya – que oferecem um padrão para criar algo semelhante contra o zika. “Mas isso [o desenvolvimento da vacina] não acontecerá do dia para a noite”, lamentou o diretor Anthony Fauci.

As autoridades de saúde americanas estão intensificando os esforços para estudar a ligação entre infecções pelo vírus zika e casos de má formação de bebês, em meio a temores levantados por um estudo recente estimando que o vírus pode ser exposto a 60% da população dos EUA. A Organização Mundial da Saúde (OMS) previu que o vírus, que foi ligado a casos de danos aos cérebros de bebês no Brasil, vai se espalhar para a maior parte dos países americanos, incluindo os Estados Unidos.

(Da redação)