Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O barato da maconha não deu certo no Uruguai

As amarras do Estado atrasam a venda da droga nas farmácias e levam cultivadores a desrespeitar a lei

Um ano depois de decretada a legalização e estatização do processo de produção da maconha no Uruguai, o país está longe de alcançar seus objetivos. O ponto mais polêmico da lei, que determina a venda da droga em farmácias, ainda não foi implementado.

A Junta Nacional de Drogas, que regula o setor, diz que há dificuldades na tramitação dos documentos das empresas selecionadas para fornecer o produto. Os produtores, por sua vez, reclamam da falta de transparência pela qual o processo tem sido conduzido. Não foi determinada uma data para o início da venda nas farmácias.

As outras duas vias de acesso à droga previstas no decreto também têm se mostrado problemáticas. Uma delas é a que previa que as pessoas poderiam plantar maconha e cultivá-las em casa. Estima-se que apenas de 5% a 10% dos cultivadores se registraram. A outra forma seria pelos clubes de sócios, que atraíram apenas oitocentos membros.

LEIA MAIS:

O Brasil vai monitorar a legalização da maconha no Uruguai

Inconfidência sobre mensalão fez Lula ligar para Mujica

O principal temor é com a falta de confidencialidade dos dados. Os uruguaios não se sentem à vontade em passar seus dados para uma entidade estatal. “O trâmite necessário para uma pessoa regularizar a sua situação é muito invasivo”, disse a VEJA escritora argentina Alicia Castilla, apelidada de Senhora Cannabis. “Isso está muito longe do que se imaginava como legalização”

SAIBA MAIS

https://www.youtube.com/watch?v=bc1ZoLJokFQ