NYT critica excesso de matérias negativas sobre a Rio-2016

O colunista do jornal Roger Cohen elogiou o desenvolvimento do país nas últimas décadas e a forma positiva com que os brasileiros lidam com problemas

Por Da redação - Atualizado em 15 ago 2016, 15h10 - Publicado em 15 ago 2016, 13h32

Desde o início das Olimpíadas do Rio, publicações internacionais estamparam reportagens sobre uma série de problemas econômicos, políticos e de segurança no Brasil. Enquanto alguns consideram ser o retrato justo da realidade do país, uma coluna do jornal The New York Times, publicada na segunda-feira, critica o excesso de negatividade das matérias.

“De início, o Brasil nunca ia terminar o serviço a tempo das Olimpíadas; agora que fez, e organizou uma cerimônia de abertura magnífica, é culpado de não ter resolvido todos os problemas sociais em tempo para os Jogos”, escreveu o jornalista Roger Cohen. De acordo com o colunista, que já trabalhou como correspondente no Rio de Janeiro, é necessário reconhecer que o país se transformou e é um “importante agente do século 21”, apesar muitos problemas persistirem.

Leia também:
‘NYT’ fala mal do biscoito Globo e cariocas reagem
Jornalista usa apps de encontro para expor atletas gays
Jornalista australiano deve ser quem mais se diverte no Rio

O texto do Times destacou evoluções no Brasil desde a década de 80, como “a estabilidade da democracia e da moeda” e se referiu aos processos de impeachment dos presidentes Fernando Collor de Mello e Dilma Rousseff, afirmando que “a lei não pode ser mais comprada com facilidade”. Além disso, a coluna elogia a forma como os brasileiros lidam com adversidades. “Como qualquer um comparecendo às Olimpíadas deve sentir, o Brasil tem uma cultura nacional poderosa e alegre. É a terra do ‘tudo bem’”, escreveu Cohen.

“Estou realmente cansado de ler matérias negativas sobre essas Olimpíadas brasileiras”, afirmou o jornalista, “as Olimpíadas são boas para o Brasil e para a humanidade, um tônico necessário”. Por fim, Cohen citou o seu caso favorito nos Jogos do Rio, o de Rafaela Silva, a judoca medalhista nascida na Cidade de Deus. “Nas favelas algumas crianças estão sonhando de uma forma diferente. Isso também é uma história”, apontou.

Publicidade