Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

NY anuncia 1º paciente infectado pela variante brasileira do coronavírus

Os Estados Unidos analisam 48 novos casos de infecção pela cepa brasileira, chamada de P1

Por Eduardo F. Filho Atualizado em 22 mar 2021, 09h15 - Publicado em 21 mar 2021, 13h21

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, anunciou neste sábado 20 que o estado registrou o primeiro caso de Covid-19 em um paciente infectado pela variante P1 do coronavírus, também conhecida como a variante que foi identificada inicialmente no Brasil. A pessoa, na faixa dos 90 anos, não tece sua identidade revelada. Sabe-se, entretanto, que ela mora no bairro do Brooklyn e não fez viagens recentes para o país tropical, ou qualquer outra região do planeta. O diagnóstico foi realizado no hospital Mount Sinai, em Nova York, e ainda não se sabe como ela contraiu o vírus.

“A detecção da variante brasileira aqui em Nova York ressalta ainda mais a importância de tomar todas as medidas adequadas para continuar a proteger sua saúde. A melhor maneira de se proteger é continuar a usar máscara bem ajustada, evitar grandes multidões, distância social, lavar as mãos e ser vacinado quando for sua vez”, disse Cuomo em comunicado.

Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças, estão sendo analisados 48 possíveis casos de infecção pela variante brasileira nos Estados Unidos. O primeiro caso da P1 no país ocorreu no dia 25 de janeiro, em Minnesota. O paciente tinha viajado para o Brasil.

A entrada de brasileiros ou pessoas que tiverem passado pelo Brasil em solo americano está proibida deste uma determinação que entrou em vigor no dia 29 de maio de 2020. A restrição, entretanto, não é aplicada a pessoas que moram nos Estados Unidos ou sejam casadas com um cidadão americano. As que tem residência permanente no país ou que tenham filhos e irmãos americanos com residência permanente também estão autorizados a entrar no país – desde que tenham menos de 21 anos.

Pessoas convidadas pelo governo dos Estados Unidos, bem como os membros da tripulação de companhias aéreas, também estão isentas da proibição.

Continua após a publicidade
Publicidade