NSA espionou telefone do papa Francisco na época em que ele era cardeal

Novos documentos vazados por Snowden apontam que os Estados Unidos grampearam chamadas telefônicas durante o conclave que elegeu o pontífice

Por Da Redação - 30 out 2013, 13h29

A Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos espionou as chamadas telefônicas feitas pelo papa Francisco na época em que ele era cardeal. Segundo documentos vazados pelo ex-analista de inteligência Edward Snowden à revista italiana Panorama, o argentino Jorge Mario Bergoglio teve o telefone grampeado durante o período em que ficou hospedado na Domus Internationalis Paolo VI de Roma, a residência usada por ele antes do início do conclave que o elegeu pontífice em 13 de março deste ano. Dados de outras ligações feitas na Cidade do Vaticano também teriam sido coletados pelos serviços de inteligência americanos.

Leia também:

Obama analisa banir escutas de chefes de estados aliados

Delegação alemã vai à Casa Branca para apurar denúncias de espionagem

Publicidade

Revistas italianas já haviam adiantado na última semana que os Estados Unidos tinham monitorado 46 milhões de conversas telefônicas de cidadãos italianos. Na ocasião, o primeiro-ministro Enrico Letta afirmou que a espionagem entre aliados era “inconcebível e inaceitável”. Agora, a publicação diz que muitas das ligações foram grampeadas no Vaticano. De acordo com os arquivos de Snowden, os americanos coletaram dados entre 10 de dezembro de 2012 e 8 de janeiro de 2013, mas teriam dado sequência à espionagem após o anúncio da renúncia de Bento XVI aos pontificado, em 28 de fevereiro.

Os Estados Unidos também teriam grampeado telefones durante todo o conclave para a escolha do novo papa. Entre os espionados estaria o presidente do Banco do Vaticano, o alemão Ernst von Freyberg, que foi nomeado em fevereiro de 2013 por Bento XVI. As chamadas captadas no Vaticano foram arquivadas sob quatro classificações: ‘Leadership intentions‘ (Intenções de liderança), ‘Threats to financial system‘ (Ameaças ao sistema financeiro), ‘Foreign Policy Objectives‘ (Objetivos de política externa) e ‘Human Rights‘ (Direitos Humanos).

Leia mais:

UE: quebra de confiança nos EUA prejudica luta contra o terror

Publicidade

Ex-ministro é denunciado após afirmar que Grécia espionou os EUA

A Panorama recorda ainda que o site de vazamentos WikiLeaks, do hacker Julian Assange, havia divulgado despachos dos serviços secretos americanos que citavam o nome de Bergoglio como um dos favoritos a assumir o pontificado em 2005, assim como outros arquivos datados de 2007 que relatavam a “relação ruim” que o então cardeal mantinha na Argentina com o presidente Nestor Kirchner. Questionado sobre os vazamentos, o porta-voz do escritório de imprensa do Vaticano, Federico Lombardi, afirmou que não tem nenhuma informação sobre o assunto e que não manifesta “nenhuma preocupação a respeito”.

Negativa – Na última terça-feira, o chefe da NSA, general Keith B. Alexander, e o diretor de Inteligência Nacional, James R. Clapper Jr., negaram que o governo americano espiona milhões de ligações telefônicas de cidadãos da Alemanha, França, Espanha e Itália. As autoridades disseram que as informações divulgadas por jornais europeus com base nos documentos de Snowden eram “completamente falsas”. No entanto, os responsáveis pela inteligência americana disseram que a espionagem contra líderes mundiais é um dos pilares mantidos há décadas nos serviços de inteligência americanos. Eles afirmaram que a prática é fundamental para o governo saber quais “intenções” que outros países, incluindo os aliados, apresentam em relação à política dos Estados Unidos.

(Com agência EFE)

Publicidade